O Pai da Química

1 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 1 Filament.io 1 Flares ×

Quando se fala em história humana o que nos vem a cabeça a evolução do homem pré-histórico até os dias atuais. Todavia, de muitas maneiras a história da civilização se confunde com a história da química, principalmente em se tratando da matéria e suas propriedades. Os seres humanos sempre procuraram identificar, usar e alterar os materiais em nosso ambiente. Os museus estão cheios de cerâmicas arqueológicas cujos esmaltes usados para decorar e preservar provam o domínio dos povos antigos do manuseio da matéria. Pastores, cervejeiros e viticultores usavam técnicas de fermentação para fazer queijo, cerveja e vinho. A produção de soda cáustica a partir de cinzas de madeira para fazer sabão demonstra a capacidade de sintese dos povos antigos. A combinação do cobre e estanho para fazer bronze é outra maravilha da capacidade de manuseio da matéria por povos antigos.  No século VIII dC, Jābir ibn Hayyān, um astrônomo muçulmano, filósofo e cientista, se tornou um dos primeiros a usar métodos científicos para estudar materiais. Jābir é  conhecido pelo seu nome latinizado, Geber e é considerado  o “pai da química”. A Geber é considerado o autor de 22 pergaminhos referente a métodos de destilação, cristalização, sublimação e evaporação descrevendo. Ele inventou o alambique, um dispositivo usado para destilar e estudar ácidos. Ele  desenvolveu também um sistema de classificação química que usava as propriedades dos materiais. Para isso, Geber usou as seguintes categorias:

“Espíritos” – materiais que vaporizam quando aquecidos.
“Metals” – incluindo ferro, estanho, cobre e chumbo.
substâncias não maleável – materiais que poderiam ser feitas em pó, tal como a pedra.

Hoje podemos chamar de materiais semelhantes “produtos químicos voláteis, metais e não-metais.”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *