Química gosta de política também

Dificilmente nós associamos os químicos à política. Esse não o caso para Lavoisier, José Bonifácio entre outros. As mulheres química também gostam de políticas. Venhamos e convenhamos uma vez no poder, os químicos ficam muito tempo. Longe da idade média, temos Magareth Thatcher conhecida como a Dama de Ferro.  Colocando o lado a política dura empregada pela Dama de Ferro, Magareth Thatcher  graduou-se em Oxford em 1947 com uma licenciatura em química. Sua dissertação do quarto ano foi sobre a cristalografia de raios-X do  antibiótico gramicidina. Nos anos seguintes, Magareth hatcher trabalhou como químico industrial na British Xylonite Plastics e em Lyons. Agora para entrar na política Magareth Thatcher dedicou seu tempo livre à política, em vez de ciência, e até mesmo se arrependeu da escolha do estudo de graduação. Ele sempre contava a um amigo na graduação que ela não deveria ter lido a química, mas sim a lei. É interessante afirmar que ela só continuou a química para como um meio de trabalhar como advogado de patentes. Porém, Magareth  Thatcher assumiu uma posição na British Xylonite (BX) Plastics em 1947, tornando-se um químico de pesquisa de alimentos em “os bolos e negócios de teashop J. Lyons & Co.” Ela provavelmente pesquisou o processo de saponificação. Em 1951, Magareth Thactcher se demitiu para estudar direito fiscal. Em 1959, ganhou um assento no Parlamento.

Fonte: Popular Science