Átomos adicionados ao grafeno melhoram suas propriedades

O grafeno é feito de uma camada bidimensional de átomos de carbono dispostos em uma rede hexagonal. As fortes ligações entre os átomos de carbono tornam o grafeno extremamente estável e flexível. É também um excelente condutor elétrico através do qual a eletricidade pode fluir com quase nenhuma perda. As propriedades distintivas do grafeno podem ser expandidas pela incorporação de átomos “impuros” em um processo conhecido como “doping”. Os átomos adicionados causam mudanças locais da condução que, por exemplo, permitem que o grafeno seja usado como um minúsculo transistor e possibilite a construção de circuitos. Em uma colaboração entre cientistas da Universidade de Basel e do Instituto Nacional de Ciência dos Materiais em Tsukuba no Japão, Universidade Kanazawa e Universidade Kwansei Gakuin no Japão, e Universidade Aalto na Finlândia, desenvolveram fitas de grafeno contendo átomos impuros. Eles substituíram determinados átomos de carbono na rede hexagonal por átomos de boro e nitrogênio usando química de superfície. Sob exposição ao calor até 400 °C, pequenas fitas de grafeno se formaram na superfície do ouro a partir dos precursores, incluindo átomos dopantes em locais específicos.

Fonte: Science Daily

Leia também

Circuítos eletrônicos no grafeno

Grafeno o futuro da baterias?