O paracetamol

O paracetamol (recommended international nonproprietary name) ou Acetominofeno (USAN) é o único sobrevivente dos chamados “derivados da anilina” ou “analgésicos anilinicos”: acetanilida, fenacitina e paracetamol. Os dois últimos são ambos derivados do primeiro. A atividade antipirética da acetanilida foi descoberta por serendipismo, em 1880, fruto de um erro farmacêutico. Na Universidade de Estrasburgo, o Prof. Kussmaul, do departamento de medicina interna solicitou a dois dos seus assistentes (Cahn e Hepp) a administração de naftaleno para o tratamento de parasitas intestinais. Curiosamente, apesar de poucas melhorias na eliminação dos parasitas, um dos pacientes apresentou uma redução acentuada da temperatura corporal. Foi aí que se descobriu o erro, da troca de naftaleno por acetanilida. Esta foi rapidamente colocada em prática na medicina, em 1886, sob o nome de “antifebrina Cahn and Hepp”, atribuindo-lhe igualmente propriedades analgésicas. No entanto, os seus marcados efeitos secundários, o principal sendo a cianose induzida pela presença de metahemoglobina no sangue, levaram ao desenvolvimento de derivados da anilina menos

                                         Paracetamol

tóxicos.  Em 1948, Brodie and Axelrod demonstraram que o principal metabolito responsável pela ação analgésica da acetanilida e da fenacitina era o paracetamol, enquanto que o efeito secundário da metahemglobulinemia foi atribuído a outro metabolito, a fenilhidroxilamina. Pode-se, portanto, afirmar que o paracetamol foi “redescoberto”, tendo sido lançado no mercado desde meados de 1950. Preocupações sobre a sua segurança dificultou a sua aceitação generalizada até 1970. A partir daqui, rapidamente ganhou popularidade, chegando mesmo a ultrapassar as vendas da aspirina em alguns países, como no Reino Unido. O paracetamol tornou-se, assim, um dos fármacos mais usados no mundo para o tratamento da dor e da febre, e provavelmente o medicamente mais comummente prescrito para crianças.

Texto retirado de  História da descoberta ao uso