Será que o glúten é mesmo o filão

O glúten pode não ser o cara mau afinal de contas. Evidências sugerem que podem ser as moléculas de frutanos no trigo que causam problemas estomacais em pessoas com intolerância. Cerca de 1 por cento das pessoas têm doença celíaca, um distúrbio auto-imune que as faz reagir mal às proteínas do glúten no trigo. Mas outros 12 por cento se sentem mal depois de comer alimentos à base de trigo, como pão e macarrão, apesar de não ter distúrbio celíaca. Todavia, alguns cientistas acreditam que o  glúten não pode ser a causa dessa problemas para pessoas com “sensibilidade ao glúten”. Tudo começou em 2013, com um estudo de celíacos que comeram glúten e não apresentaram sensibilidade. A partir desse resultado o pesquisador Jane Muir e Peter Gibson da Universidade Monash (Austrália) começou a questionar se poderia haver outro culpado. Ai ele começaram a suspeitar de frutanos, que são um tipo de cadeia de açúcar encontrada no trigo, cevada e centeio, assim como cebola, alho, grão de bico, repolho e alcachofra. Para testar essa hipótese, eles recrutaram 59 adultos celíacos que seguiam dietas sem glúten para a sensibilidade intestinal. Eles deram a esses voluntários três tipos de barras de cereais contendo glúten, frutanos, ou nenhum, e os participantes comeram um desses todos os dias durante sete dias, com espaços de uma semana entre cada tipo de barra. Eles observaram que a barra de frutanos desencadeou 15% mais inchaço e um aumento de 13% nos sintomas gastrintestinais gerais, em comparação com a barra de controle. A barra de glúten, no entanto, não teve efeito. Isso pode explicar por que as pessoas com intestino irritável geralmente melhoram as dietas sem glúten, mas não se recuperam completamente, diz Muir. Ao cortar o trigo, eles eliminam uma grande porção de frutanos de suas dietas, mas ainda podem ter problemas para comer outros alimentos ricos em frutanos, como cebola e alho.  Esse resultado sugere que a suposição inicial do glúten ser o culpado parece está errada.