O que um milhão mostram sobre o autismo e o DDT

A Organização Mundial da Saúde estima que, globalmente, uma em cada 160 crianças tem autismo. Qualquer caso de autismo é provavelmente devido a vários fatores, incluindo genética e outras exposições ambientais. Uma das causas pode estar relacionada pelo fato de que mães com altos níveis do pesticida DDT no sangue durante a gravidez são mais propensas a ter filhos que desenvolvem autismo, de acordo com um estudo de amostras de sangue de mais de um milhão de mulheres grávidas na Finlândia. Embora os autores ressaltem que as descobertas não provam que o autismo é causado pelo DDT,  essa é a primeira associação usando uma medida direta de exposição ao pesticida. Deve ser afirmado que a utilização do DDT tem sido proibida em muitos países há décadas devido a preocupações com seus efeitos sobre a vida selvagem.  Além disso, pesquisadores que investigam ligações entre ambiente e doença afirmam que mais estudos são necessários para determinar o mecanismo pelo qual a exposição ao DDT poderia desencadear o autismo. No estudo, publicado em 16 de agosto no American Journal of Psychiatry , também examinou a exposição das mães a outro conjunto de produtos químicos conhecidos como bifenilos policlorados (PCBs), e não encontrou associação entre essas substâncias e o autismo. Esse resultado aprofunda a afirmação de como o DDT pode estar ligado ao autismo. Quando os pesquisadores mediram os níveis de subprodutos do DDT nas amostras de sangue, eles descobriram que as mães com altas concentrações deste produto químico eram 32% mais propensas que as mulheres com níveis mais baixos de DDT a dar à luz crianças que desenvolveram autismo.  A probabilidade de uma criança com autismo acompanhada por deficiência intelectual foi duas vezes maior em mães com níveis elevados de DDT em comparação com aqueles com níveis mais baixos. Não está claro como exatamente o DDT poderia aumentar o risco de autismo, mas foi demonstrado que o DDT  causa baixo peso ao nascer e nascimento prematuro, que são conhecidos fatores de risco para o autismo. O DDT é também conhecido por se ligar a proteínas no corpo chamados receptores de androgênio, que permitem que as células respondam a testosterona e outras hormonas. 

Fonte: Nature

Leia também

As controvérsias do uso do DDT

O DDT – um inseticida que contaminou a humanidade