O que podemos pedir dos oceanos?

Os oceanos são habitares aquáticos que cobre 71% da superfície da Terra e abrigam milhares de espécies conhecidas e até milhões de espécies desconhecidas. Em uma visão rápida percebe-se que nossos oceanos são saudáveis ​​e funcionam adequadamente, beneficiando organismos aquáticos a seres humanos que vivem perto ou longe dos oceanos. Talvez a visão de que os oceanos são extremamente grandes e com sensação de inesgotáveis, os humanos continuam queimando nas grandes quantidades combustíveis fósseis e, consequentemente, aumentando a quantidade de carbono na atmosfera. Infelizmente, esse processo chega aos oceanos tendo com resultado, o aumento da acidificação das águas marinhas.  Por sua vez, a acidificação tem produzido, por exemplo, o branqueamento de corais, deixando milhares de espécies que dependem desses ecossistemas sem teto. De modo geral, o processo de acidificação vem mudando consideravelmente os processos físicos e químicos das águas dos oceanos e, consequentemente, a fauna e flora marinho. 

Todavia, os oceanos poderiam ser solução para diversos de nossos problemas. Por exemplo, a energia hidrelétrica poderiam ser geradas usando turbinas submersas para transformar a energia cinética das marés em eletricidade. Essa geração evitaria que uma grande quantidade de combustíveis fósseis  fossem queimadas para gerar energia elétrica. Então, por que essa grande ideia não foi considerada uma opção viável? 

O aumento da pressão populacional e das mudanças climáticas representam o desafio de manter o consumo de água em níveis sustentáveis. Embora não seja nova, mas há necessidade de converter a água do mar em água potável. Nas embarcações antigas, o processo de  remoção de sal dissolvido era feito fervendo a água e recolhendo o vapor (também conhecido como destilação). Agora, mais modernadamente há necessidade de melhorar processos como o da osmose reversa no qual as moléculas de água passam através de uma membrana porosa deixando as maiores partículas de sal para trás.

Se eu entrar em questões mais profundas de valores intrínsecos, ética animal e ecoturismo, nos leva a sustentar a necessidade dos oceanos fazerem parte mais efetivamente do destino do planeta para as gerações futuras.