Importância da ventilação para evitar contaminação por radônio

O radônio  é um gás natural, com características radioativas, o que pode ser a acumular dentro de casas, escolas ou locais de trabalho. Estatísticas da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que o radônio segue o tabaco na responsabilidade pela ocorrência de casos de câncer de pulmão. De acordo com a Agência de Proteção Ambiental da América do Norte, o limite máximo de exposição recomendado é de quatro picocuries por litro de ar, uma exposição prolongada a essa dose pode representar um sério risco à saúde semelhante ao fumar meio maço de cigarros por dia.

Como o radônio é produzido?

Se você estiver ao ar livre, o radônio não está concentrado porque tem o potencial de ser rapidamente diluído e suas concentrações são baixas, portanto não há problema. Dentro das casas é possível que o radônio entre pelas fissuras existentes na união do piso com as paredes ou que estejam localizadas no chão, pelos espaços que estão entre canos e cabos de eletricidade. Os locais onde as maiores concentrações de radônio foram encontradas nas residências são em porões, armazéns ou qualquer outro local que esteja em contato direto com o solo. Deve-se notar que as concentrações de radônio podem variar nos quartos da mesma casa, de um dia para o outro, e até mesmo de uma hora para outra.

Como reduzir a concentração de radônio dentro de casas

Em países como os Estados Unidos, é necessário apresentar medições de gás radônio antes da venda de uma propriedade. Estes testes são geralmente realizados no porão do mesmo e é necessário notar que, se a casa tem abastecimento de água através de um poço profundo, este pode ter sido contaminado com radônio, uma vez que é um gás que se dissolve na água. Assim, uma maneira de evitar altas concentrações de radônio em residências é melhorar a ventilação em salas como porões e adegas. Outra medida é selar as fissuras existentes no chão ou nas juntas do piso com as paredes.

Leia também 

O radônio e o câncer de pulmão

Fonte: IQuimicos