A fitorremediação e a qualidade da água

A Fitorremediação é um estratégia de descontaminação que emprega plantas com o objetivo de remover, transferir, estabilizar ou destruir elementos nocivos, sendo aplicável a solos com baixos níveis de contaminação. Mas qual o alcance dessa estratégia sobre a qualidade da água? Sem dúvidas considera-se que quanto mais naturalmente verde é uma área maior será o bem-estar dos habitats e os organismos em torno dela. 

Existe uma ligação difícil de ser notada entre reflorestamento de terras agrícolas marginais, degradadas ou desertas e vantagens vitais na qualidade da água. Em princípio, essa ação serve apenas para incentivar aqueles que liberam poluentes e a fazendeiros a plantarem arbustos para compensar o impacto ambiental causado. Todavia, em regiões impactadas é comum observar nutrientes principalmente nitrogênio e fósforo sendo transportados facilmente através dos solos e corpos hídricos.

Especificamente, nos corpos hídricos  observa-se um favorecimento de um maciço florescimento de algas e subsequentemente de “zonas inúteis”  livres de oxigênio, ameaçando ou matando a vida em rios, lagos, entre outros percursos de água. Quando árvores são plantadas e a medida que crescem tem-se não apenas um aumento no armazenando de carbono, mas também uma redução considerável do movimento de nitrogênio, fósforo e sedimentos da terra para córregos e rios, e consequentemente melhorando a qualidade da água.

 

Leia também

Fitorremediação
O musgo que limpa água com arsênio
Lista dos 10 lugares mais poluídos do mundo