Menu de hoje: Salada de pesticidas, peixe com chumbo, fruta com plástico

Caso você não saiba ou simplesmente não se lembre: tudo que você come, bebe, respira, usa, toma como remédio, os cosméticos que usa, as paredes de sua casa, entre outros, está cheio de produtos químicos, atualmente. É infelizmente simples assim.

Por exemplo, em seu banheiro, o formaldeído geralmente fica em seu xampu, microesferas na sua pasta de dentes, ftalatos em suas unhas e antimicrobianos em seus sabonetes, enquanto seu armário de remédios contém uma infinidade de produtos farmacêuticos sintéticos.

Na sua cozinha, um morango suculento pode conter vestígios de até 20 pesticidas diferentes. E as gavetas, amarios e purificadores de ar perfumados contêm compostos orgânicos voláteis que podem deixar você com náuseas e dor de cabeça. E essa lista é muito maior se colocamos outras coisas de nosso cotidiano.

Quem nos diz essas coias é uma das principais organizações mundiais que lidam com as fontes e perigos da poluição e da contaminação – a ONU, que em 29 de abril de 2019 divulgou sua lista de contaminantes na Global Chemicals Outlook.

Produtos químicos, produtos químicos e produtos químicos estão em todos os lugares

Produtos químicos fazem parte de nossas vidas cotidianas todos os dias e horas. Eles estão nos remédios à proteção de plantas, inovações em química que melhoram nossas saúdes, segurança alimentar e muito mais. No entanto, quando os produtos químicos são mal utilizados e gerenciados, ameaçam a saúde humana e o meio ambiente.

Segundo Global Chemicals Outlook tendências globais como a dinâmica populacional, urbanização e crescimento econômico estão aumentando rapidamente o uso de produtos químicos, particularmente nas economias de países emergentes. Somente em 2017, esses países gastaram mais de 5 trilhões de dólares em produtos nocivos. Até 2030, isso vai dobrar. Estimativas da Agência Europeia do Ambiente sugerem que 62 por cento do volume de produtos químicos consumidos na Europa em 2016 são perigosos para a saúde.

Dessa forma, grandes quantidades de produtos químicos perigosos e poluentes continuam sendo descartados no ambiente, contaminando cadeias alimentares e se acumulando em nossos corpos com danos sérios à saúde humana. A Organização Mundial da Saúde de estima o ônus da doença de produtos químicos selecionados em 1,6 milhão de vidas em 2016. vidas de muitos mais serão impactadas negativamente nos próximos anos.

O Global Outlook também informa que uma ampla gama de produtos estão sendo comercializadas em economias emergentes. O relatório mostra as seguintes informações sobre os produtos químicos comercializados para as economias emergentes:

  • Alta comercialização de produtos químicos líquidos para cuidados pessoais para venda diretamente aos consumidores; tintas, adesivos e lubrificantes; assim como artigos quimicamente complexos, desde têxteis e eletrônicos, até materiais de construção e brinquedos;
  • O comércio de artigos foi identificado como um propulsor significativo para o transporte global de chumbo, cádmio, mercúrio e bromados;
  • Compras significativas de equipamentos elétricos e eletrônicos que contêm substâncias perigosas ou tóxicas antes de serem descartados ou reciclados em condições inseguras e desprotegidas;
  • Alto consumo de produtos como telefones celulares e notebooks sendo comprados e usados ​​em regiões consideradas muito remotas; e
  • Crescente demanda de consumo de bens eletroeletrônicos e materiais, juntamente com a rápida mudança tecnológica e a alta taxa de obsolescência o que tem levado a uma crescente geração de grandes quantidades de produtos eletrônicos obsoletos.

Como resultado nos países em desenvolvimento tem-se uma geração global de resíduos eletrônicos estimada em 40 milhões de toneladas por ano.  Além disso, tem-se uma contaminação química e resíduos associados a setores industriais de importância. Segundo  o Global Outlook, as economias emergentes convivem com uma grande quantidade e variadas de contaminantes formada por pesticidas de escoamento agrícola; metais pesados ​​associados à produção de cimento; dioxina associada à reciclagem de eletrônicos; mercúrio e outros metais pesados ​​associados à combustão de mineração e carvão, dentre tantos outros.

Leia também
A fitorremediação e a qualidade da água
A poluição está mudando as células
Ainda 1/3 do mundo não tem acesso a água potável
Os resíduos químicos nas frutas e legumes
Explorando a química dentro de casa
Lista dos 10 lugares mais poluídos do mundo
Os neonicotinóides e a extinção das abelhas
Contaminação sedimentos
A contaminação ambiental e a saúde das crianças

 

Fonte: IPS