O Plástico que desaparece no sol

Os engenheiros do Instituto de Tecnologia da Geórgia desenvolveram um novo tipo de plástico que pode formar folhas flexíveis e peças mecânicas resistentes – depois desaparecem em minutos ou horas quando atingidos por luz ultravioleta ou temperaturas acima de 80 oC. Segundo os engenheiros o novo plástico pode permanecer estável por anos, desde que evite o sol.

Dentre as aplicações do novo plástico ‘que ele pode ser usado para fabricar sensores ambientais e médicos que se dissolvem após a coleta de dados ou adesivos temporários que se solta com o auxílio de uma pistola de calor. A equipe de engenheiros argumenta que esse plástico seria uma ótima aplicação para produzir veículos voadores que vaporizam sob a luz do sol podem ser uma arma potente: imagine um drone que desaparece sem deixar rasto depois de secretamente entregar suprimentos para um local remoto.

Para fabricar o plástico que se destróem rapidamente, a equipe de engenheiro liderada por Kohl usou uma molécula chamada poli (ftalaldeído) (PPHA). Como todos os polímeros, este se divide em seus blocos de construção quando aquecido acima de uma certa temperatura. Mas, ao contrário dos plásticos usados em garrafas e embalagens, que quebram apenas em temperaturas muito altas, o PPHA se desenrola enquanto ainda está em temperatura abaixo do ambiente. Essa propriedade facilita a decomposição, mas é difícil estabilizar. Para induzir o PPHA a ser pseudo-estável, os engenheiros vincularam os monômeros em um círculo como uma corrente; assim, o polímero só despolimeriza a partir do final. Com as pontas unidas, a corrente não se quebra tão facilmente. Embora a estrutura em círculo impeça que o PPHA modificado se quebre à temperatura ambiente, mas ao se romper apenas um elo da corrente; o polímero inteiro começa a quebra a ligação, e a estrutura toda despolimeriza instantaneamente. Para desencadear a “destruição” do polímero, os engenheiros misturaram um composto  HA.  E para diminuir a velocidade da degradação, os engenheiros adicionaram compostos adicionais capazes de retardar o ataque ao polímero. Dessa forma, o polímero tem um tempo de exercer sua função antes de ser autodestruído.

Leia também

Um plástico totalmente reciclável

O plástico nos laboratórios científicos

Quantos de microplástico nós estamos consumido por ano?

Uma plataforma contra plástico no mar

Um plástico totalmente reciclável

Uma rainha na luta contra o plástico

Fonte:

Scientific American