A linha de tempo psiquiátrico do lítio

Não são raros aqueles fatos em que uma descoberta acontece por um acaso. Muitas vezes são fatos inusitados que geram a descoberta ou mesmo uma disruptura de determinado conhecimento. Vejamos o caso do lítio na psiquiatria, o carbonato de lítio é uma droga bastante questionada hoje em dia, mas que por séculos tem sido usada para aliviar e reduzir os efeitos causados pelas doenças mentais, principalmente o distúrbio bipolar. Existe até o mesmo a corrente da observação e manutenção dos níveis de lítio na água para que sejam reduzidos o número de suicídio no mundo.

Vamos lá a um pouco da história do lítio na psiquiatria. Por um acaso os físicos gregos e romanos, especialmente Aretaeus de Capódocia, foram os primeiros a identificarem a existência de doenças maniacas e depressão. As descrições sobre a doenças são usadas até os dias atuais. Eles também observaram que os doentes ao se banharem nos Spas italianos ficam relativamente calmos. Sem saber o que exatamente o que tinha nas águas dos Spas deram o caminho para o uso do lítio na psiquiatria, que chegou até sua aprovação no FDA em 1974. O infografo abaixo mostra alguns fatos importantes desde o início até o FDA da trajetória do lítio. 

Leia também 

O lítio e a psiquiatria

O estranho caso do 7 up e citrato de lítio, também usado para controlar o humor

Nova teoria explica a ação do lítio em pacientes bipolares

Terapia por íon de lítio