O curativo que detecta bactérias

Pesquisadores na China desenvolveram um curativo que é capaz de diagnosticar infecções bacteriana mudando de cor. Esse invento possibilitará  o “uso racional” de antibióticos que hoje são usados indiscriminadamente a tal ponto que atualmente é comum encontrar bactérias resistentes em todo o planeta. 

Outra causa do aparecimento de  bactérias que naturalmente se tornaram resistentes aos antibióticos ao longo do tempo. Esse processo foi acelerado pelo o uso indevido de drogas em humanos e animais. Infelizmente, a resistência aos antibióticos é uma das maiores ameaças à saúde global, com uma estimativa de 700.000 mortes em todo o mundo a cada ano, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Dados oficiais do Reino Unido, por exemplo, sugerem que 5.000 mortes são causadas pela ineficiência dos antibióticos para algumas infecções.

Ferramentas que ajudam na detecção precoce de infecções bacterianas são essenciais para reduzir o “trabalho de adivinhação”. Os pesquisadores chineses para o desenvolvimento do curativo basearam-se no microambiente único de toxinas, enzimas e nível de pH da ferida.

Os pesquisadores incorporaram o material em ataduras e os testaram em feridas em camundongos. Ao serem infectados com bactérias Escherichia coli (E. coli) sensíveis ou resistentes a medicamentos, o curativo muda de verde para amarelo,  além de liberar um antibiótico para matar as bactérias.

Por outro lado, quando há presença de bactérias resistentes aos medicamentos existente no curativo, ele muda para a cor vermelha. Isso ocorre por causa de uma enzima produzida especificamente pelos bactérias resistentes. Outra inovação adicionada ao curativo é a liberação de um produto químico que enfraquece as bactérias, tornando-as mais suscetíveis à medicina. Esse processo ocorre quando o curativo é exposto  á luz solar. 

O teste em ratos com E. coli mostrou que o curativo mudou de verde para amarelo (em cima) quando bactérias resistentes a medicamentos estavam presentes. E quando bactérias resistentes a medicamentos estavam presentes, o curativo ficou vermelho (em baixo)

Sem dúvidas, essa invenção ajudará a detectar e tratar infecções bacterianas rapidamente o que é uma ferramenta que permite a recuperação dos pacientes, além de conter a propagação de bactérias resistentes a antibióticos. 

Leia também

As superbactérias estão fugidos dos hospitais

As táticas de um novo antibiótico para matar superbactérias

Penicilina

Fonte: Mailonline