O mercúrio e a Amazônia

O problema da contaminação de mercúrio na Amazônia chamou a atenção em 1985, quando oHg2 pesquisador francês Jacques Cousteau encontrou peixes com altas concentrações em regiões de garimpo do rio Madeira. A partir de então, outros pesquisadores detectaram altos níveis de mercúrio em diversas espécies de peixes, em cabelo humano, solos e em outras amostras

Encontro das águas (Manaus - Amazonas)
Encontro das águas (Manaus – Amazonas)

biológicas. Dentre as fontes de contaminação de mercúrio, inicialmente, a atividade garimpeira do ouro foi, por algum tempo, considerada a principal. Estimativas iniciais chegaram ao número de que 63% do mercúrio presente na Amazônia era devido ao processo de obtenção do ouro.

Leia também

Revista mercúrio

Os 10 venenos mais mortais conhecidos pelo homem

Mercúrio – Cenas de contaminação

As mudanças climáticas e os peixes contaminados

O restante do mercúrio tinha como fonte a queima de biomassa, absorvida nos solos e no ar. Outras considerações sobre a quantidade de mercúrio presente na Amazônia dão conta de que este metal tóxico é de origem natural. Ou seja, os processos geológicos, principalmente o intemperismo, favorecerem a permanência do mercúrio na região. Independente de qual seja a origem do mercúrio na Amazônia a verdade é que ele está presente na região em altas concentrações.