Ocratoxina A

Ocratoxina_A
Ocratoxina A (OTA)

A ocratoxina A (OTA) é uma micotoxina produzida por algumas espécies de fungos filamentosos pertencentes ao género Aspergillus e Penicillium e é, entre todas as ocratoxinas, a mais tóxica e a mais relevante. Ela tem  propriedades carcinogénicas, nefrotóxicas, teratogénicas, imunotóxicas e neurotóxicas. A OTA está associada à nefropatia em humanos, além de ser sugerida uma associação com incidência da  Nefropatia Endémica dos Balcãs, uma doença progressiva caracterizada por redução da função renal e frequentemente fatal. Por causa disso, a legislação brasileira regulamenta os máximos permitidos da OTA em amendoin e seus derivados, alimentos à base de cerais para alimentação infantil, café torrado e solúvel, cereais e produtos de cereais, especiarias, frutas secas e desidratadas, nozes e castanhas, amêndoas de cacau e seus derivados, suco de maças e polpa de maça, suco de uva e polpa de uva, vinho e seus derivados, além de outros. A FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations- Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), por exemplo, tem a maior preocupação com a contaminação de produtos primários como o café. O café representa mundialmente divisas econômicas maiores que o petróleo. Contaminação do café com o OTA desde o campo até o mercado afetará desde o agricultor familiar até grande empresários em todo o mundo. Ou seja, o cuidado para controlar essa micotoxina é fundamental para a própria subexistência humana.

 

Fonte:

Wikipédia – Ocratoxina A

Legislação sobre micotoxinas

Fao – Food Safety and Quality