O parasitário Nitazoxanida contra o Covid que arma é essa?

                             Nitazoxanida

O nitazoxanida, mais conhecido no Brasil como Anitta, foi desenvolvido e é comercializado com um remédio para tratamento de protozoários. Com a pandemia do Covid19 esse remédio ganhou destaque, principalmente por ter sido escolhido de cerca de 2.000 outras drogas capazes de tratar esta doença. Para muitos pode ser uma supressa o uso desse remédio usado para tratar de vermes está sendo proposto para tratar uma doença cuja origem seja viral.

Quimicamente, a nitazoxanida ou a 2- (acetiloxi) -N- (5-nitro-2-tiazolil) benzamida é uma substância com baixa solubilidade em água. Ao contrário de outros remédios os isômeros dessa substância praticamente não alteram seu efeito no tratamento de doenças Ela foi sintetizada pela primeira vez no início da década de 1970 a partir da niclosamida na substituição de um anel de benzeno, um heterociclo de anel de 6 membros, por um nitrotiazol, um heterocíclico com um anel de 5 membros. Esse remédio é classificado como praticamente insolúvel em água e possui baixa permeabilidade no corpo humano.

Leia também

A importância da estereoquímica nos remédios

A isomeria e os remédios

Cloroquina é igual hidroxicloroquina?

A síntese da nitazoxanida tinha como objetivo a obtenção de um agente antiparasitário oral, principalmente para combater protozoários e infecções helmínticas em camundongos, gatos, cães e ovelhas. Posteriormente, a nitazoxanida foi considerada eficaz para tratamento de diarreias causadas por C. parvum e Giardia intestinalis em adultos e crianças com pelo menos 12 meses de idade. Sendo considerado o único remédio aprovado pela FDA para tratar a infecção causada por Cryptosporidium. A nitazoxanida também tem sido amplamente comercializada na América Latina e na Índia, onde é indicada para o tratamento de um amplo espectro de infecções parasitárias intestinais.

 

A partir da década de 2000, a nitazoxanida demonstrou ter atividade antiviral o que motivou estudá-la bem como outras substâncias tiazolidas como uma nova classe antivirais. Esse remédio tem apresentado em laboratório resultados positivos para influenza A (H1N1) e B (H7N9), hepatite B e C, encefalite japonesa. Em princípio, o mecanismo de ação da nitazoxanida contra vírus influenza mostram que esta substância bloqueia a maturação da hemaglutinina viral no estágio pós-traducional; ou seja, a cadeia proteica do vírus tem suas propriedades químicas alteradas. Ao ser alterada a cadeia proteica, o remédio possibilita a cura da doença causada pelo vírus.

Fontes

Rossignol, J-F. Review: Nitazoxanide: A first-in-class broad-spectrum antiviral agent. Antiviral Research, v. 110, p. 94-103, 2014.

Sonda, C. F-S et al. Nitazoxanide Cocrystals in Combination with Succinic, Glutaric, and 2,5-Dihydroxybenzoic Acid. Crystal Growth & Design, v 14,n3, p 1086-1102, 2014.