A deterioração química da obra o Grito

Aos trinta anos o pintor expressionista Edvard Munch pinta uma de suas obras mais importante chamada de O Grito. Uma obra que representa uma figura andrógina em um momento de profunda angústia e desespero existencial. O plano de fundo é a doca de Oslofjord (em Oslo) ao pôr-do-Sol. O Grito é considerado uma das obras mais importantes do movimento expressionista. Essa obra alcançou o mesmo nível de importância da obra de Leonardo da Vinci a Mona Lisa.

Leia também 

O que um químico faz em um museu

O modo de pintar de Pablo Picasso

Os obras de Van Gogh estão ficando marrom

O efeito químico do suor em uma obra de arte

Como muitas obras de arte antigas, O Grito, pintado em 1893, recebe todo um cuidado especial para ser preservado. Essa obra em particular a sua preservação está baseada nos pigmentos de sulfeto de cádmio que é um composto químico sob o ponto de vista de uma pintura muito frágil. As pinceladas de amarelo-cádmio no céu e a figura central desbotaram para esbranquiçar e a tinta espessa no lago está descascando. Para evitar mais deteriorações, o Museu Munch em Oslo quase sempre mantém O Grito sob uma iluminação cuidadosamente controlada e cerca de 50% de umidade.

Em uma análise química mais recente da pintura teve como principal resultado é que a umidade é a principal razão da deterioração, enquanto a luz desempenha apenas um papel menor. Segundo publicação de Letizia Monico, química do Conselho Nacional de Pesquisa da Itália em Perugia, e seus colegas na revista científica Science Advances.

Os pesquisadores analisaram flocos microscópicos de tinta na obra O Grito juntamente com amostras de tinta com composição química semelhante e envelhecidas artificialmente no laboratório. As sondas de raios X das amostras de tinta revelaram a presença de sulfato de cádmio, um produto de decomposição do sulfeto de cádmio. Esse composto químico mancham toda a obra O Grito.

Ponto de sulfato de cádmio devido a umidade

O sulfato de cádmio também apareceu em tintas envelhecidas artificialmente, expostas a pelo menos 95% de umidade na luz e na escuridão, mas amostras semelhantes expostas à luz em 45% de umidade não mostraram sinais de deterioração. Isso sugere que a umidade é o principal culpado do envelhecimento da obra O Grito. Embora, a obra possa ficar bem sob iluminação normal, mas ela deve ser mantida a 45% ou menos de umidade.

Esse novo entendimento do processo de envelhecimento da obra de arte contribui para melhorar o processo de preservação de outras pinturas de Munch, além pintura de outros pintores como Matisse e van Gogh. Esses dois pintores também faziam uso de pigmentos contendo sulfeto de cádmio.