Chinelos biodegradáveis de algas

O calçado mais popular do mundo, os chinelos são responsáveis ​​por uma porcentagem preocupante de resíduos plásticos que vão para aterros, praias e oceanos. Cientistas da Universidade da Califórnia em San Diego passaram anos trabalhando para resolver esse problema e agora deram um passo adiante para cumprir esta missão.

Leia também

Plásticos termofixos resistentes agora são recicláveis

Como reduzir a quantidade plástico no mundo

Porque produzir tijolos de resíduos plásticos

Por que reciclar um plástico biodegradável?

A equipe de pesquisadores formulou espumas de poliuretano, feitas de óleo de algas, para atender às especificações comerciais de sapatos de sola intermédia e pés de chinelos. Os resultados deste trabalho de pesquisa foram publicados na Bioresource Technology Reports .

Sapatos biodegradáveis ​​atendem aos padrões comerciais de produtos necessários para ajudar a erradicar toneladas de resíduos plásticos.

A pesquisa foi comrealizada em colaboração entre a UC San Diego e a empresa iniciante Algenesis Materials que é uma empresa de ciência e tecnologia de materiais.  Depois de centenas de formulações, finalmente a equipe de pesquisadores conseguiram obter uma formulação certa para as espumas de qualidade comercial. Os pesquisadores conseguiram produtos comerciais biodegradáveis com poliésteres, bioplásticos (PLA) e plásticos de combustível fóssil (PET).

Para isso, os pequisadores  redesenvolvemos poliuretanos com monômeros de base biológica do zero para atender às altas especificações de materiais para calçados. A biodegradação do material foi realizada em solo cujo plástico foi degradado após apenas 16 semanas. Durante o período de decomposição, a equipe verificou que as espumas eram despolimerizadas em monômeros que poderiam ser sintetizados em novos monômeros de poliuretano.

Essa capacidade de reciclagem total é importante para produtos comerciais que ajudam a reduzir os 13 bilhões de toneladas métricas de plástico previstos para ir aterros ou no ambiente natural até 2050. 

Fonte:

SchiTechDaily