Química e patrimônio cultural

Igreja da pampulha

Patrimônio cultural é o conjunto de monumentos e artefatos de valor histórico, técnico, cultural e artístico, que constituem o legado do passado e documentam a evolução de países e nações. O patrimônio cultural deve ser mantido e transmitido às próximas gerações, para que possa ser apreciado no presente e no futuro. Os bens culturais estão sujeitos à degradação, principalmente por meio de transformações químicas. O papel da química é compreender, prevenir, controlar e reparar tais transformações. A química e suas técnicas, portanto, estão profundamente envolvidas com o patrimônio cultural.

Química da escultura

A escultura é a arte de fazer estátuas e outras obras de arte a partir de materiais duros como pedras e metais. A constituição química e as propriedades de tais materiais determinam as características do trabalho final, a forma de processamento e o efeito do envelhecimento.

Leia também

O que um químico faz em um museu

Os químicos e os pintores

Victor Grippo, o artista que usou a Química

        Profeta de Aleijadinho

Os escultores sempre se preocuparam com as características de seus materiais, embora muitas vezes não entendessem a base química de tais características. Hoje em dia a química está ativamente envolvida na seleção de materiais, ditando regras para o manuseio e no cuidado com a conservação. A última edição é especialmente importante para esculturas antigas.

Química das pinturas

A pintura é baseada em cores e as cores são o resultado da interação entre a luz e as substâncias químicas. Quando um pintor escolhe suas cores, ele está, na verdade, selecionando quais substâncias químicas colocará em sua mesa (ou parede, ou qualquer outra coisa). Matizes ligeiramente diferentes podem ser devidas em fórmulas químicas completamente diferentes.

As cores não são estáveis. As reações químicas podem fazer com que os corantes desapareçam ou adquiram cores diferentes. Novas cores podem ser formadas a partir dos materiais de pintura ou adicionadas por deposição, por exemplo, de fumos.

Loving Vicent de Van Gogh

É um grande desafio para os químicos prevenir ou retardar tais mudanças. As técnicas de conservação incluem exclusão do contato com o ar, controle de temperatura e umidade, remoção de camadas sujas.

Alfabetização química para conservação

O conhecimento da natureza química (composição, estrutura, propriedades, reatividade) e das propriedades físicas dos materiais que constituem os artefatos culturais, bem como sua origem e forma de processamento, são pré-requisitos para a conservação e restauração.

As tarefas pertencentes à química na conservação e restauração do patrimônio cultural incluem:

  • Conhecimento dos fatores que afetam a degradação;
  • Avaliação do estado dos artefatos e dos processos em andamento;
  • Definição de procedimentos adequados para limpar, fortalecer e proteger os bens culturais;
  • Avaliação da eficácia do tratamento e sua duração no tempo

Muitas técnicas analíticas poderosas e equipamentos sofisticados estão disponíveis para realizar essas tarefas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *