Ecologia Química versus Química ambiental

Ecologia Química
Estrutura do DDT (diclorodifeniltricloroetano)
DDT (diclorodifeniltricloroetano)

Na história recente da humanidade existem um número enorme de substâncias novas sintetizadas pelo homem. O maior problema de muitas dessas substâncias é a toxicidade, incapacidade de metabolização, etc. O DDT é um exemplo clássico de substância que tem vida longa nos organismos vivos. Os defensivos agrícolas organoclorados ainda assustam (“assombram”) a humanidade com uma série grande de casos de contaminação.

Infelizmente, os produtos sintéticos desenvolvidos pelos químicos estão diretamente ligados aos problemas de contaminação ambiental que vivemos atualmente, como aquecimento global, efeito estufa, chuva ácida etc. Os metais pesados, hidrocarbonetos, dióxido de carbono, fármacos entre outros com o modelo de desenvolvimento tecnológico baseado única e exclusivamente no produto e não no ciclo de vida já fazem parte do cotidiano da vida moderna.

Os subprodutos das substâncias usadas para melhorar nossa saúde e nosso padrão de vida em alguns casos retornam para o ambiente o que tem degradados nossa vida, por outro lado. Os resíduos da saúde, por exemplo, têm contaminados os corpos hídricos, causando doenças como câncer, distúrbios nervosos, mal de Wilson, entre tantas outras. Existe a suposição de que a existência de superbactérias se deve à presença de resíduos da saúde proveniente principalmente daqueles presentes em esgotos domésticos.

Leia também

O que estuda a química ambiental

A toxicidade dos “metais pesados”

O que é solo contaminado (poluído)

Qual ligação entre o alumínio e o e Alzheimer?

Lista dos 10 lugares mais poluídos do mundo

Do outro lado da química sintética está a Química Ambiental que envolve o estudo de grande número de diferentes agentes químicos, processos e procedimentos de remediação da contaminação ambiental. A Química Ambiental  busca identificar, determinar quais são os efeitos das substâncias presentes nos diversos resíduos. Para isso, são desenvolvidas metodologias, como especiação química. Os instrumentos mais modernos fazem parte da vida da química ambiental, espectrômetros de massas, atômicos, ultravioleta-visível etc.

Todavia, a ecologia química, com a descoberta do feromônio sexual do bicho da seda Bambyx mori por Butenandt, possibilitou o isolamento de substâncias naturais, metabolizáveis pelos organismos vivos, que são capazes de produzir os mesmos resultados obtidos pelas substâncias sintetizadas. A ecologia Química estuda as substâncias químicas (semioquímicos) envolvidos nas interações entre os organismos.

Por exemplo, os insetos vivem em um complexo mundo de estímulos químicos que afetam todos os aspectos de suas vidas. Mensagens químicas, ou semioquímicos, regulam as interações entre os insetos e plantas. Dentre as interações podemos citar atração, repulsão, estimulação etc. Ao entender como essas interações ocorrem e seus efeitos nos organismos envolvidos possibilitam uma busca mais científica de produtos naturais para serem aplicadas como terapêuticos. Portanto, a ecologia química é um norteador para o desenvolvimento de novos fármacos, herbicidas, inseticidas, entre várias outras possibilidades.

Enquanto a Ecologia Química as substâncias naturais de modo geral contribuem para a evolução da humanidade os produtos sintéticos estudados pela Química Ambiental influenciam negativamente na vida dos insetos por exemplo. Dentre os insetos um dos que mais preocupam a humanidade são as abelhas, responsáveis pela polinização.

No primeiro momento em que os pesticidas foram introduzidos na agricultura houve uma euforia muito grande pelo aumento da produtividade. Com o passar dos anos descobriu-se que pesticidas podem estar colocando as abelhas em extinção. Por caus desse risco, já foram e ainda são feitos muitos estudos e revisões sobre os efeitos dos pesticidas sobre as abelhas. Uma revisão dos pesticidas neonicotinóides pela autoridade europeia para a segurança dos alimentos  concluiu que eles representam um risco para abelhas domesticadas e selvagens.

Como podemos perceber temos os dois lados da Química: A Química Ambiental com seus produtos sintéticos e a Ecologia Química com os produtos naturais.

Sugestão de leitura: Ecologia Química

Química Ambiental – Colin Baird

One thought on “Ecologia Química versus Química ambiental

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *