Ícone do siteClube da Química

Porque devemos proteger a Amazônia do mercúrio

Contaminação por Mercúrio

Então, a floresta Amazônica é o centro das questões ambientais no planeta. Assim, desde discussões envolvendo a sua preservação como questões de como desenvolvê-la. Ou seja, ela é conhecida por ter uma megadiversidade. 

Por outro lado, ela tem problemas sérios de casos de degradação. Por exemplo: queimada; exploração do ouro; e contaminação por mercúrio (Hg). Por sua vez, o mercúrio (Hg) é um metal pesado mercúrio com alto nível de toxicidade.

Assim, um novo estudo, Exposição ao Mercúrio de Mulheres em Quatro Países Latino-Americanos de Mineração de Ouro mostra que as mulheres incluindo indígenas da Amazônia em três países latino-americanos têm níveis elevados de mercúrio (Hg) em seus corpos. Em princípio, os níveis elevados estão ligados ao consumo de peixes para obter proteínas e o fato de viverem nas proximidades da atividade de mineração de ouro.

Como foi feito o estudo sobre o mercúrio?

Bom, o estudo foi conduzido pela Rede Internacional de Eliminação de Poluentes (IPEN) em conjunto com o Biodiversity Research Institute (BRI). Assim, os pesquisadores analisaram os níveis de mercúrio (Hg) em mulheres em idade fértil que são mais sensíveis aos efeitos tóxicos do mercúrio. Em princípio, as mulheres em regiões de mineração de ouro na Venezuela, Bolívia, Brasil e Colômbia se ofereceram para serem avaliadas para o estudo.

Quais foram os resultados?

Então, os resultados do estudo mostraram que mulheres indígenas bolivianas em duas comunidades a mais de 300 quilômetros uma da outra no rio Beni, tinha uma quantidade alta de mercúrio (Hg), com um nível médio de 7,58 ppm. O que chamou a atenção dos pesquisadores é que essas mulheres se alimentam basicamente de bananas e peixes do rio Beni. Além disso, elas não tinham envolvimento na mineração de ouro. Por outro lado, mulheres em regiões de mineração de ouro em pequena escala na Venezuela e no Brasil também tinham níveis elevados de mercúrio (Hg). Elas também consumiam de peixes só que de locais contaminados por mercúrio (Hg).

Como o mercúrio pode afetar os humanos

Então, o mercúrio (Hg) é uma neurotoxina potente para os humanos, pois ele afeta o sistema nervoso central, por exemplo, de feto em desenvolvimento meses após a exposição da mãe. Mas, como ele pode afetar os fetos. Bom, os efeitos nocivos do mercúrio (Hg) transmitidos da mãe para o feto incluem comprometimento neurológico, perda de QI e danos aos rins e ao sistema cardiovascular.

Quais são os sintomas da contaminação por mercúrio?

A princípio, os sintomas de intoxicação por mercúrio (Hg) são diversos. Por exemplo: tremores; insônia; perda de memória; alterações neuromusculares; dores de cabeça e disfunção cognitiva; e motora. Bom, os sintomas de intoxicação depende do nível de exposição que podem ser agudos ou crônicos. Assim, altos níveis de exposição ao mercúrio (Hg) podem causar uma série de danos cerebrais. Por exemplo: retardo mental; cegueira; convulsões; e incapacidade de falar.

Uma nova Minamata

Uma pesquisa realizada pela Fiocruz em parceria com o WWF-Brasil em Santarém, no sudoeste do Pará, mostra uma contaminação por mercúrio (Hg) de 100% dos indígenas da Amazônia chamada de Munduruku, localizado no médio Rio Tapajós, entre os municípios de Itaituba e Trairão. Esses indígenas da Amazônia têm sido expostos a contaminação por mercúrio por cerca de 70 anos devido a atividade garimpeira na região.

A pesquisa realizada nas Aldeias Sawré Muybu, Poxo Muybu e Sawré Aboy mostra que cerca de 200 pessoas, incluindo crianças, adultos e idosos continham níveis altos de mercúrio (Hg) no cabelo. Os níveis de contaminação por mercúrio (Hg) variaram de 1,4 a 23,9 ppm no cabelo. Além disso, 88 espécies de peixe, todas estavam contaminadas por mercúrio. Os que apresentaram maior nível foram os peixes carnívoros. Sendo recomendado que a população não consuma peixes.

Acredita-se que gerações do povo Munduruku já nascem contaminadas por mercúrio e em número superior ao do de adultos: 7 em cada 10 adolescentes de 10 a 19 anos apresentavam índices de mercúrio acima da média. Cerca de 16% das crianças já apresentavam deformações graves pelo envenenamento por mercúrio. Uma criança de 11 meses de idade, residente na aldeia Sawré Muybu chamou a atenção dos pesquisadores, pois apresentou problemas relativos na componente motricidade ampla. Essa criança continha 19,6 ppm de mercúrio no cabelo, nível pelo menos 3 vezes superior dos valores considerados seguros.

Você deveria saber mais sobre o mercúrio

Então, como você descobriu o mercúrio é um metal pesado tóxico altamente perigoso. Nesse sentido, nós aqui do Clube da Química convidamos você a ir em nossos artigos para entender melhor o que o mercúrio (Hg) tem causado no nosso planeta. Aceite o convite de descubra mais sobre o mercúrio (Hg):

Mercúrio – Cenas de contaminação

Clique aqui

A Convenção de Minamata em Mercúrio

Clique aqui

O mercúrio: os dois lados da história

Clique aqui

 

Convite

Então, gostou? Bom, então comente e visite nossas redes sociais:

Instagram

Facebook

Twitter  e

Linkedin 

 

Sair da versão mobile