A descoberta a Insulina e sua relação com diabetes

A insulina é um hormônio produzido no pâncreas, uma glândula localizada atrás do estômago. Ela permite que seu corpo use glicose para obter energia. A glicose é um tipo de açúcar encontrado em muitos carboidratos.

Após uma refeição ou lanche, o trato digestivo quebra os carboidratos e os transforma em glicose. A glicose é então absorvida pela corrente sanguínea através do revestimento interno do intestino delgado. Uma vez que a glicose está na corrente sanguínea, a insulina faz com que as células de todo o corpo absorvam o açúcar e o usem como energia.

A insulina também ajuda a equilibrar os níveis de glicose no sangue. Quando há muita glicose na corrente sanguínea, a insulina sinaliza ao corpo para armazenar o excesso no fígado. A glicose armazenada não é liberada até que seus níveis de glicose no sangue diminuam, como entre as refeições ou quando seu corpo está estressado ou precisa de um impulso extra de energia.

História da insulina

Os médico Oscar Minkowski e Joseph von Mehring resolveram retirar o pâncreas de um cão saudável para demonstrar o papel deste órgão na digestão de alimentos. Vários dias após a remoção do pâncreas, o guarda do cão reparou que existiam muitas moscas a alimentarem-se da urina  do animal. Ao testar a urina do cão descobriu-se que havia açúcar nela. Dessa forma, demonstrou-se pela primeira vez a relação entre o pâncreas e a diabetes.

A insulina é um hormônio peptídico que contém duas cadeias reticuladas por pontes dissulfeto.

A insulina é um hormônio peptídico que contém duas cadeias reticuladas por pontes dissulfeto.

Leia também

Como a Química ajuda os portadores de diabetes

O ozônio, a diabetes e as doenças pulmonares

Aspirina e a demência de mulheres com diabetes

Metformina, um remédio para diabetes, é a nova arma contra o câncer de mama

Uma misteriosa célula X que causa diabetes?

O diabetes e a insulina

O diabetes ocorre quando o corpo não usa insulina de maneira adequada ou não produz insulina suficiente. Existem dois tipos principais de diabetes: tipo 1 e tipo 2.

O diabetes tipo 1 é um tipo de doença auto-imune. Essas são doenças que fazem com que o corpo ataque a si mesmo. Se você tem diabetes tipo 1, seu corpo não consegue produzir insulina. Isso ocorre porque o sistema imunológico destruiu todas as células produtoras de insulina do pâncreas. Esta doença é mais comumente diagnosticada em jovens, embora possa se desenvolver na idade adulta.

No diabetes tipo 2, seu corpo se tornou resistente aos efeitos da insulina. Isso significa que seu corpo precisa de mais insulina para obter os mesmos efeitos. Portanto, seu corpo produz insulina em excesso para manter os níveis de glicose no sangue normais. No entanto, após muitos anos de superprodução, as células produtoras de insulina do pâncreas se queimam. O diabetes tipo 2 afeta pessoas de qualquer idade, mas geralmente se desenvolve mais tarde na vida.

A insulina como tratamento para diabetes

As injeções de insulina podem ajudar a tratar os dois tipos de diabetes. A insulina injetada atua como um substituto ou suplemento para a insulina do seu corpo. Pessoas com diabetes tipo 1 não podem produzir insulina, por isso devem injetar insulina para controlar os níveis de glicose no sangue.

Muitas pessoas com diabetes tipo 2 podem controlar seus níveis de glicose no sangue com mudanças no estilo de vida e medicação oral. No entanto, se esses tratamentos não ajudarem a controlar os níveis de glicose, as pessoas com a doença também podem precisar de insulina para ajudar a controlar os níveis de glicose no sangue.

Tipos de insulina

  • A insulina de ação rápida que começa a agir cerca de 15 minutos após a injeção, atinge o pico em cerca de uma ou duas horas após a injeção e dura entre duas a quatro horas.
  • A insulina regular ou de ação curta que geralmente atinge a corrente sanguínea 30 minutos após a injeção, atinge seu pico de duas a três horas após a injeção e é eficaz por aproximadamente três a seis horas.
  • A insulina de ação intermediária que geralmente atinge a corrente sanguínea cerca de duas a quatro horas após a injeção, atinge seu pico quatro a 12 horas depois e é eficaz por cerca de 12 a 18 horas.
  • A insulina de ação prolongada que atinge a corrente sanguínea várias horas após a injeção e tende a baixar os níveis de glicose em até 24 horas.
  • A ação ultralonga que atinge a corrente sanguínea em seis horas, não atinge o pico e dura cerca de 36 horas ou mais.
  • A insulina pré-misturada que pode ser útil para pessoas que têm problemas para extrair insulina de dois frascos e ler as instruções e dosagens corretas. Também é útil para quem tem deficiência visual ou destreza e é conveniente para pessoas cujo diabetes foi estabilizado com esta combinação.

Em 2015, um produto de insulina inalada foi introduzido no mercado a Afrezza (disponível nos EUA). Afrezza é uma insulina inalada de ação rápida que é administrada no início de cada refeição e pode ser usada por adultos com diabetes tipo 1 ou tipo 2. Afrezza não é um substituto da insulina de ação prolongada. Afrezza deve ser usada em combinação com insulina de ação prolongada injetável em pacientes com diabetes tipo 1 e em pacientes tipo 2 que usam insulina de ação prolongada. Ao ser inalada a insulina começa a agir em 12 a 15 minutos, atinge o pico em 30 minutos e sai do sistema em 180 minutos.

Fonte

Healthline

Wipedia

American Diabetes Association

One thought on “A descoberta a Insulina e sua relação com diabetes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *