Ícone do siteClubedaQuímica

A descoberta e os problemas do Teflon

Teflon

Então, hoje é difícil você não encontrar em uma casa moderna o Teflon em sua casa. Nós podemos encontrá-lo na forma de fita que veda o vazamento de água em canos. Todavia, ele é mais conhecido pelas panelas, principalmente frigideiras de Teflon. Em princípio, todas as panelas com Teflon prometem que nada ficará grudado depois de você frita algumas coisa. Além disso, existe a promessa de que não precisa de óleo para frita. 

Por outro lado, quase ninguém sabe sobre a origem e composição do Teflon. Você sabe?

Bom, antes de começar a falar do Teflon tem que dizer a você, que Teflon é o nome popular do polímero Politetrafluoretileno. Assim, esse polímero tem a sigla PTFE para ajudar na identificação do Teflon nos produtos. Além disso, ele surgiu por acaso em meio aos experimentos do químico Roy Plunkett, no ano de 1938, enquanto realizava experimentos com gás tetrafluoretileno. 

Como foi a descoberta do Teflon

Em princípio, a descoberta do Teflon foi acidental. Bom, vamos lá contar a história para você. Então, em 1938, a DuPont estava preocupada com a toxicidade da amônia (NH3) e do dióxido de enxofre (SO2). Bom, esses gases eram usados como refrigerantes ​​na época. E, Roy Plunkett buscava por uma substituição o que levou a experimentar o tetrafluoroetileno (C2F4). Dessa forma, o tetrafluoroetileno (C2F4) estava armazenado há algum tempo em um cilindro. Então, o Roy Plunkett resolveu abrir o cilindro e ficou perplexo.

Ao contrário do que ele esperava não saiu nenhum gás do cilindro, mas o peso dele permanecia o mesmo. Ai o que fez Roy Plunkett resolveu abrir o cilindro e ele descobriu um pó branco que tinha algumas propriedades surpreendentes.

Então, ele verificou que o pó era resistente ao calor, bem como a praticamente todos os produtos químicos que ele experimentava, incluindo óleo e água. Mas a propriedade mais impressionante da substância era que nada atacava quimicamente o pó que estava dentro do cilindro.

Como um bom cientista ele resolveu estudar o pó branco. Dessa forma, Roy Plunkett descobriu que as pequenas moléculas de tetrafluoroetileno (C2F4) se uniram para formar um polímero. Assim, que  foi descoberto o Teflon.

O que aconteceu depois da descoberta?

Então, depois da descoberta os cientistas descobriram que o flúor (F) era o responsável pela propriedade antiaderente do Teflon. Além disso, o flúor (F) também confere ao Teflon a incapacidade de reagir com outros produtos químicos.

Por conseguinte, os pesquisadores começaram a produzir uma variedade de compostos fluorados para produzir materiais resistentes a manchas e à água. Como consequência, desenvolveram-se numerosas substâncias alquílicas polifluoradas (PFAS). Essas substâncias podem ser encontradas em uma enorme quantidade de produtos. Por exemplo: papel; têxteis; carpetes; tintas; equipamentos médicos; fita de encanamento; fio dental; embalagens de alimentos; isolamento de fios; equipamentos de camping; e espumas de combate a incêndios.

Curiosidade sobre o Teflon

Bom, o farmacêutico de Edimburgo John Scott ficou tão impressionado com as realizações de Benjamin Franklin que em 1815 ele estabeleceu um prêmio John Scott que deveria ser concedido por um comitê na Filadélfia. Dentre os  ganhadores do prêmio estão nomes como Marie Curie, Thomas Edison, Frederick Banting e Jonas Salk. Na cerimônia de premiação de 1951, todos os convidados receberam um presente surpresa. Uma panela de muffins! Mas esta não era uma panela comum. Estava revestido com Teflon, a substância antiaderente descoberta por Roy Plunkett, o químico da DuPont que foi o homenageado do Prêmio John Scott daquele ano.

O Teflon causa câncer?

Em princípio, anti-aderência das panelas revestidas de Teflon é garantida. Porém, a degradação térmica  leva à dissolução de substâncias tóxicas, inclusive gases corrosivos e letais. De acordo com a Environmental Working Group, o Teflon entra em contato com o nosso organismo, permanecendo nele por longo tempo e provocando danos ao fígado e à tireoide. 

Panelas de Teflon bastante usadas, estragadas e arranhadas são as maiores causadores de contaminação dos alimentos e do nosso organismo, pois elas podem soltar pedaços do PTFE. Por outro lado, as panelas novas contaminam pelos gases que são liberados. A Agência Americana de Proteção Ambiental confirmou que uma das substâncias utilizadas na produção de Teflon – o ácido perfluorooctanóico (PFOA) é cancerígeno. Dessa forma, em 2015 os Estados Unidos proibiu a produção de panela de Teflon. Com relação às panelas e às frigideiras, uma escolha mais segura seria o aço inoxidável. 

Veja mais sobre os problemas dos polímeros

Gostou? Comente e visite nossas redes sociais:

Instagram

Facebook

Twitter  e

Linkedin

Fonte

Brasil Escola

Montreal Gazette

Sair da versão mobile