O plástico está no fim?

Uma empresa de produtos bioquímicos da Holanda (Avantium) que já conta com investimentos da Coca-Cola e da Danone garante que é capaz de produzir garrafas de bioplástico a partir de açucares vegetais. 

Leia também

Só a reciclagem resolve o problema do plástico?

Steve Jobs e a reciclagem

As cápsulas de café biodegradáveis

Quantos de microplástico nós estamos consumido por ano?

Upcycling: lâmpadas feitas de garrafas plásticas

Por que reciclar um plástico biodegradável?

O bioplástico produzido tem credenciais muito atraentes pois não usa combustíveis fósseis e pode ser reciclado, além disso é capaz de ser degradado na natureza muito mais rapidamente que outro bioplásticos comerciais. 

O bioplástico vegetal da Avantium foi projetado para ser resistente o suficiente para conter bebidas carbonatadas. Testes demonstram que o bioplástico da planta tem capacidade de ser decomposto em um ano em um processo de compostagem, e poucos anos quando  deixado em condições externas normais do ambiente. 

A bio-refinaria Avantium planeja dividir os açúcares vegetais sustentáveis ​​em estruturas químicas simples que podem ser reorganizadas para formar um novo bioplástico cujo objetivo é disponibiliza-lo para os supermercados até 2023. Espera-se que sejam produzidos inicialmente cerca de 5.000 toneladas de bioplástico a cada ano. Para isso, serão usados açúcares de milho, trigo ou beterraba. 

Com o tempo, a Avantium planeja usar açúcares vegetais provenientes de resíduos biológicos de origem sustentável, para que o aumento do plástico das plantas não afete a cadeia global de fornecimento de alimentos.

Fonte: 

The Guardian