Elemento-traço ou metal Pesado?

Dr Genilson Pereira Santana

Elemento-traço ou metal Pesado? Então, para você saber quando usa um ou outro você saber em qual área você está. Então, quando as quantidades são muito pequenas, traços e micro-traços nós o chamamos de oligoelementos. Além disso, em termos de presença em seres humanos você pode dividir esse oligoelementos da seguinte forma:

Majoritários: O, C, H, N, Ca, P, S, K, Na, Cl e Mg;
Traços: Fe, Zn, Cu, F, Br e Se; e
Microtraços (ultratraços): I, Mn, V, Si, As, B, Ni, Cr, Mo e Co.

Definições de elemento-traço versus metais pesados

Na Química Ambiental o termo se refere a aqueles elementos que ocorrem naturalmente em níveis de parte por milhão ou abaixo disso. Entretanto, para a área o termo mais apropriado seria substância-traço, pois envolve tanto os elementos quanto as compostos químicos. O termo Metais Pesados seria um caso particular que compreende aqueles metais que tem toxicidade ao homem. Por exemplo, alguns metais de transição, como o chumbo e estanho,  arsênio, selênio e antimônio.

Então, em 1936 você pode encontrar este termo pela primeira vez em 1936; ou seja, no livro de química inorgânica escrito pelo dinamarquês Niels Bjerrum (1936). Assim, Bjerrum definiu a classe dos metais pesados em função da densidade dos elementos químico. Dessa forma, para esse autor, para ser metal pesado o elemento deveria ter densidade > 4 g cm-3. Por outro lado, o termo metal pesado é muito variável, sendo possível encontrar diversas definições.

Toda essa história de metais pesado começou com Neils Bjerrum

No Webster (1986), definiu-se metal pesado como Um metal com alta densidade; ou melhor, um metal que tem densidade de 5,0 ou maior. Entretanto, na tabela periódica existem 112 elementos dos quais 70 elementos possuem densidade > 4 g cm-3 e somente 10 elementos são definidos como metais pesados.

No dicionário de Ecologia e Ciências Ambientais (1998), metais pesados são aqueles metais com número atômicos de médio e altos, por exemplo, cobre, o cádmio, a prata, o arsênio, o cromo e o mercúrio, é que são tóxicos em concentrações relativamente baixas. Dessa forma, persistem no ambiente e podem se acumular em níveis que interrompem o crescimento das plantas e interferem na vida animal. Os detritos de atividades mineradoras e industriais e o lodo de esgoto são fontes de concentrações de metais pesados potencialmente prejudiciais.

A princípio, é possível encontrar outras definições para metal pesado, por exemplo: Metais pesados são definidos convencionalmente como elementos com propriedades metálicas (ductibilidade, condutividade, estabilidade como cátions, etc.) e um número atômico > 20.

Com o tempo utilizou-se o termo para classificar

metal pesado

Por outro lado, alguns autores ao invés de definir o termo estabelecem uma classificação para os metais pesados. Dessa forma, no livro de Alloway (1990), a classificação para metais pesados é baseada na densidade atômica (>6 g cm-3), o que incluem Se e  alguns elementos essenciais aos seres vivos, por exemplo, Cu, Zn, Fe, Mn, Co, Mo e Se.

Além disso, o termo elemento-traço tem sido preferido em diversas publicações que trata de assunto relacionados a metal pesado, devido ao fato de que nenhum órgão oficial na área de química, como a IUPAC, tenha o definido. Em texto produzido pela IUPAC (Heavy Metals – A Meaningless Term?), é citado que o termo “metal pesado muitas vezes vem sendo usado, sobretudo, para nomear um grupo de metais e metalóides que são associados à contaminação e potencialidade tóxica ou ecotóxica”. Para a IUPAC o termo metal se refere ao elemento puro, que possui propriedades físicas e químicas bem características, e não dos seus compostos, cujas propriedades físicas, químicas, biológicas e toxicológicas são muitas vezes diferentes.

Além disso, a IUPAC recomenda a proibição do termo, pois se trata de uma nova classificação de elementos na tabela periódica. Todavia,  em regulamentações de agências ambientais de muitos países utiliza-se o termo metais pesados sem nenhum respaldo relevante da literatura.

Considerações finais

Então, o assunto “Elemento-traço ou metal Pesado?” foi interessante? Dessa forma, você tem que acessar posts sobre a Química Ambiental aqui no Clube da Química. De qualquer forma convidamos você a descobrir um pouco mais nos posts abaixo. Acesse ai.

Mas, caso ainda tenha dúvida, não pense duas vezes junte-se a comunidade do Clube da Química para receber nossas novidades além de tirar suas dúvidas. Assim, conecte-se nas nossas redes sociais:

Instagram

Facebook  e

Linkedin

Fonte

ALLOWAY, B. J. Heavy metals in soils. New York, John Wiley, 1990, 339 p.

Dicionário de Ecologia e Ciências Ambientais. Henry W. Art. Editor-Geral; Prefácio de F. Herbert Borlmann; tradução Mary Amazonas Leite de Barros.Titulo Original The Dicionary of Ecology and Environmental Science.São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1998.

LASAT, M.M. Phytoextraction of metals from contaminated soil: A review of plant/soil/metal interaction and assessment of pertinent agronomic issues. Journal of Hazardous Substance Research, 2000, v. 2: 5.1-5.25.

MANAHAM, S.E. Environmental Chemistry. 7 ed. Boca Raton: Lewis Publishers, 1999.

Bjerrum. Bjerrum’s Inorganic Chemistry, 3rd Danish ed., London (1936).

Webster’s Third New International Dictionary, Unabridged, Merriam-Webster: Springfield, MA, 1986.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *