O isoeugenol e noz-moscada

Em 1667 foi assinado o tratado de Breda que tratava da cessão da única possessão dos Holandeses na América de Norte para os Ingleses em troca de uma pequena ilha chamada de Run, um atol nas ilhas de Banda, minúsculo grupo nas Molucas (ou ilhas da Especiarias), a leste de Java. O motivo da troca eram os arvoredos de noz-moscada. Do lados dos Ingleses representou a aquisição da ilha de Manhattan e para os holandeses ganhar muito dinheiro na época. Essa troca ocorreu devido ao fato de que se acreditava na capacidade do noz-moscada em proteger contra a peste negra que assolava a Europa esporadicamente nos séculos XIV e XV.isoeugenol

Atualmente, sabe-se que a peste negra era uma doença bacteriana transmitida por ratos infectados por picadas de pulgas. O uso de saquinhos contendo noz-moscada no pescoço poderia até parecer uma superstição, mas as sementes dessa planta produzem um cheiro muito característico de isoeugenol, que é um líquido, viscoso amarelado, com um odor fino parecido com o do cravo da índia. As plantas produzem
essa molécula como pesticidas naturais, para se defenderem de predadores herbívoros, insetos e fungos. Essa característica explica a atuação do noz-moscada no tratamento da peste negra; ou seja, o isoeugenol da planta repelia as pugas das pessoas, o que diminuia a chance de contrair a doença.

Referência

Couteur, P. L., Burreson, J. Os Botões de Napoleão. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *