Cloroquina é igual hidroxicloroquina?

A Figura abaixo mostra a estrutura dessas cloroquina e hidroxicloroquina que atualmente são fontes de polêmica no tratamento da Covid19. Não vamos discutir aqui os aspectos sobre a capacidade dessas duas substâncias serem capazes ou não de curar doentes com Covid19. Abordaremos alguns aspectos químicos das duas substâncias.

Leia Também

O parasitário Nitazoxanida contra o Covid que arma é essa?

O parasitário Nitazoxanida contra o Covid que arma é essa?

A isomeria e os remédios

Ao observá-las nota-se claramente que as duas substâncias possuem praticamente estruturas químicas semelhantes, diferenciando apenas pela troca de -H por -OH. Isso nos leva a pensar que a cloroquina e hidroxicloroquina curam doenças de modo semelhante devido as amidoquinolinas. Devemos dizer que substituintes na estrutura químicas modificam a capacidade da atuação dessas substâncias. Por exemplo, Bass e colaboradores da University of Tennesse mostraram que atividade de substituinte da família dos halogênios, a atividade obedece a seguinte ordem Cl > I > Br > F. Esse estudo mostra a importância do uso de cloro nas amidoquinolinas da cloroquina e hidroxicloroquina.

De modo geral, tanto a cloroquina com a hidroxicloroquina ambas são quirais contendo pelos menos um carbono assimétrico. As duas substâncias possuem enantiômeros racêmicos (±) com diferentes atividades metabólicas. Essa diferença resulta na atividade de apenas um dos enantiômero em cada uma das substâncias.

Além disso, a presença do -OH na hidroxicloroquina faz com que esta molécula tenha uma constante ácida (pKa1 9,67 e pKa2 8,27) menor do que a cloroquina (pka1 10,18 e pKa2 8,38). Esses valores explicam o porquê da hidroxicloroquina ter maior capacidade de dissolução e ser mais hidrofílica do que a cloroquina.

Fontes:

Warhurst, D. C. et al. Hydroxychloroquine is much less active than chloroquine against chloroquine-resistant Plasmodium falciparum, in agreement with its physicochemical properties. Journal of Antimicrobial Chemotherapy, v. 52, p. 188–193, 2003.

Bass. G. E. et al. Mechanism of Antimalarial Activity of Chloroquine Analogs
from Quantitative Structure-Activity Studies, Free Energy Related Modella. Journal of Medicinal Chemistry, v 14, n. 4, p. 275-283, 1971.