A perspectiva do comércio de moléculas

No post “Os Químicos precisam criar o comércio de moléculas” abordamos a necessidade dos Químicos entenderem o valor das moléculas existentes em resíduos. Para reforçar nossa afirmação basta observar o crescimento do mercado global de gerenciamento de resíduos,

Leia também

Upcycling para o modo sustentável

Upcycling: lâmpadas feitas de garrafas plásticas

A Química e a economia circular

Uma casa do sonho feita de lixo

Atualmente esse mercado é impulsionado pelo aumento na adoção de medidas proativas do governo para reduzir o dumping ilegal. Além disso, o aumento da população e o aumento da globalização levaram a um aumento no volume geral de resíduos em todo o mundo. A população urbana produziu cerca de 1,3 bilhão de toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) em 2012, que deve crescer para 2,2 bilhões de toneladas até 2025. Espera-se que o tamanho do mercado global de gerenciamento de resíduos atinja US $ 530,0 bilhões em 2025 a partir de US $ 330,6 bilhões em 2017, crescendo a uma taxa de 6,0% de 2018 a 2025.

O aumento da industrialização das economias países emergentes, como Índia, China e Taiwan tem levado ao desenvolvimento das indústrias química, de petróleo e gás, de automóveis e médica, que geram uma quantidade enorme de resíduos e causam poluição. Espera-se que esses fatores contribuam significativamente para o crescimento do mercado global. No entanto, o alto custo de aquisição e operação de soluções de gerenciamento de resíduos deve dificultar o crescimento do mercado. 

Por outro lado, espera-se que o aumento da conscientização entre órgãos públicos e governamentais sobre essas soluções e o aumento da necessidade de desenvolver soluções de desperdício em energia ofereçam oportunidades de crescimento lucrativas para os participantes do mercado durante o período previsto.

É importante informar que a reciclagem é tão antiga quanto a economia. Os japoneses estavam reciclando papel no século 11; ferreiros medievais faziam armaduras de sucata. Durante a segunda guerra mundial, a sucata foi transformada em tanques e as meias de mulher em paraquedas.  O problema começou quando, no final dos anos 70, começamos a tentar reciclar o lixo doméstico. Dessa forma, o lixo foi contaminado com todos os tipos de indesejáveis: materiais não recicláveis, resíduos de alimentos, óleos e líquidos que apodrecem e estragam os fardos.

Ao mesmo tempo, a indústria de embalagens inundou nossas casas com plástico barato: banheiras, filmes, garrafas, vegetais embalados individualmente. O plástico é onde a reciclagem fica mais controversa. A reciclagem de alumínio, por exemplo, é direta, lucrativa e ambientalmente correta: fabricar uma lata de alumínio reciclado reduz sua pegada de carbono em até 95%. Mas com plástico, não é assim tão simples. Embora praticamente todos os plásticos possam ser reciclados, muitos não são porque o processo é caro, complicado e o produto resultante é de qualidade inferior à que você coloca. Os benefícios da redução de carbono também são menos claros. 

Como podemos perceber o desafio é muito grande, mas a perspectiva de sucesso é lucros são muito grandes. Nós químicos precisamos utilizar nossa expertise para esse mercado e ajudar o nosso ambiente a sobreviver.

Fonte:  Report Buyer