Pesticidas, efeitos ao ambiente e saúde humana

Agrotóxicos

Pesticidas são substâncias desenvolvidas tecnologicamente para serem utilizadas no campo e residências domésticas. Eles são classificados por diferentes tipos, tais como herbicidas, inseticidas e fungicidas. Apesar de serem amplamente utilizados, os pesticidas podem ser tóxicos e prejudiciais para a saúde. Eles servem para matar organismos que se proliferam em um ambiente em desequilíbrio, como no caso de monoculturas, como plantações de café, milho, soja etc.

Os pesticidas podem ser classificados quanto a sua biodegradabilidade em:

Biodegradável – Aquele que pode ser decomposto por micróbios e outros seres vivos em compostos inofensivos.

Persistente – Aqueles que podem levar meses ou anos para se decompor.

Um pouco de história

Os pesticidas não são invenções recentes! Muitas civilizações antigas usavam pesticidas para proteger suas plantações de insetos e pragas. Os antigos sumérios usavam enxofre elementar para proteger suas plantações de insetos. Enquanto os fazendeiros medievais faziam experiências com produtos químicos usando arsênico, chumbo em plantações comuns.

Os chineses usavam compostos de arsênio e mercúrio para controlar piolhos e outras pragas. Enquanto, os gregos e romanos usavam óleo, cinzas, enxofre e outros materiais para se proteger, seu gado e suas colheitas de várias pragas. Enquanto isso, no século XIX, os pesquisadores se concentraram mais em técnicas naturais envolvendo compostos feitos com raízes de vegetais tropicais e crisântemos.

Os pesticidas começaram a serem usados mais frequentemente com a mudanças técnicas na produção agropecuária que surgiram a partir do ano de 1930. Em 1939, foi descoberto o Dicloro-Difenil-Tricloroetano (DDT), que se tornou extremamente eficaz e rapidamente utilizado como inseticida em todo o mundo. No entanto, vinte anos depois, devido aos efeitos biológicos e à segurança humana, o DDT foi proibido em quase 86 países.

Em 1966, William Gown criou a expressão Revolução Verde para se referir à mecanização do campo, processo no qual foi massificado a utilização de adubos químicos, pesticidas como inseticidas e herbicidas além de sementes transgênicas.

A Revolução Verde proporcionou aumento considerável da produção de alimentos, principalmente de cereais e tubérculos. Mas ao longo dos anos, tornou-se foi responsável por causar diversos impactos socioeconômicos e ambientais negativos.

A composição química dos pesticidas

Os produtos pesticidas contêm ingredientes “ativos” e “inertes”

Ativos

Um “ingrediente ativo” previne, destrói, repele ou mitiga uma praga, ou é um regulador vegetal, desfolhante, dessecante ou estabilizador de nitrogênio. Existem várias categorias de ingredientes ativos:

  • Convencionais, que são todos os ingredientes, exceto pesticidas biológicos e pesticidas antimicrobianos.
  • Antimicrobianos, que são substâncias ou misturas de substâncias usadas para destruir ou suprimir o crescimento de microrganismos prejudiciais, sejam bactérias, vírus ou fungos em objetos e superfícies inanimados.
  • Biopesticidas, que são tipos de ingredientes derivados de certos materiais naturais.

Inertes

Todos os outros ingredientes são chamados de “ingredientes inertes”. Eles são importantes para o desempenho e usabilidade do produto. Os ingredientes inertes desempenham um papel fundamental na eficácia dos pesticidas e no desempenho do produto. Os exemplos de funções que inertes podem servir incluem:

  • Atua como um solvente para ajudar o ingrediente ativo a penetrar na superfície da folha da planta.
  • Melhore a facilidade de aplicação, evitando aglomeração ou formação de espuma.
  • Prolongue a vida útil do produto.
  • Melhore a segurança do aplicador.
  • Proteja o pesticida da degradação devido à exposição à luz solar.

Leia também

Os neonicotinóides e a extinção das abelhas

Existe uma alternativa ao glifosato?

As controvérsias do uso do DDT

Os resíduos químicos nas frutas e legumes

Pesticidas em nossas famílias

Os biocidas fazem parte do nosso cotidiano

Tipos de pesticidas

  • Algicidas: usados para matar e retardar o crescimento das algas.
  • Antimicrobianos: matam micro-organismos.
  • Biopesticidas: feitos a partir de organismos vivos.
  • Fungicidas: usados para matar fungos.
  • Herbicidas: inibem o crescimento de plantas.
  • Inseticidas: usados para matar insetos.
  • Moluscidas: usados para matar lesmas, caracóis e outros moluscos;
  • Pesticidas: controlam “pragas”, podem ser de origem natural ou não;
  • Rodenticidas: usados para matar roedores, como ratos.

Como os pesticidas podem ser quimicamente relacionados:

Organofosfato -A maioria dos organofosforados são inseticidas, eles afetam o sistema nervoso ao interromper a enzima que regula um neurotransmissor.

Carbamato – Semelhante aos pesticidas organofosforados, os pesticidas carbamatos também afetam o sistema nervoso ao interromper uma enzima que regula o neurotransmissor. No entanto, os efeitos das enzimas são geralmente reversíveis.

Inseticidas organoclorados – Eles eram comumente usados antes, mas agora muitos países foram removidos dos inseticidas organoclorados de seus mercados devido aos seus efeitos na saúde e no meio ambiente e sua persistência (por exemplo, DDT, clordano e toxafeno).

Piretróide – Trata-se de uma versão sintética da piretrina, um pesticida que ocorre naturalmente, encontrado nos crisântemos (flor). Eles foram desenvolvidos de forma a maximizar sua estabilidade no meio ambiente.

Herbicidas de sulfonilureia – Os herbicidas de sulfoniluréias têm sido comercializados para controle de ervas daninhas, como piritiobac-sódio, ciclosulfamuron, bispyribac-sodium, terbacil, sulfometuron-metil Sulfosulfuron, rimsulfuron, pirazosulfuron-etil, imazosulfuron, nicosulfuron, primissurulfuron-halosulfuron, primisulfuron-metil-nicosulfuron metil, flupyrsulfuron-methyl-sodium, etoxysulfuron, chlorimuron-ethyl, bensulfuron-methyl, azimsulfuron e amidosulfuron.

Biopesticidas – Os biopesticidas são certos tipos de pesticidas derivados de materiais naturais como animais, plantas, bactérias e certos minerais.

Efeitos para o meio ambiente

Os produtos químicos tóxicos são projetados para serem deliberadamente liberados no meio ambiente. Embora cada pesticida se destine a matar uma determinada praga, uma porcentagem muito grande de pesticidas atinge um destino diferente de seu alvo. Em vez disso, eles entram no ar, na água, nos sedimentos e até acabam na nossa comida.

O uso destes também diminui a biodiversidade geral do solo. Se não houver produtos químicos no solo, haverá maior qualidade do solo e isso permitirá maior retenção de água, necessária para o crescimento das plantas.

Efeitos para a saúde humana

A exposição a pesticidas pode ser por meio do contato com a pele, ingestão ou inalação. O tipo de pesticida, a duração e a rota de exposição e o estado de saúde individual (por exemplo, deficiências nutricionais e pele saudável/danificada) são fatores determinantes no possível resultado de saúde.

Ranking agrotóxicos

Dentro do corpo humano ou animal, os pesticidas podem ser metabolizados, excretados, armazenados ou bioacumulados na gordura corporal. Os numerosos efeitos negativos à saúde que foram associados aos pesticidas químicos incluem, entre outros efeitos, dermatológicos, gastrointestinais, neurológicos, carcinogênicos, respiratórios, reprodutivos e endócrinos.

A alta exposição ocupacional, acidental ou intencional a agrotóxicos pode resultar em hospitalização e morte.

Resíduos de pesticidas podem ser encontrados em uma grande variedade de alimentos e bebidas do dia a dia, incluindo, por exemplo, refeições cozidas, água, vinho, sucos de frutas, refrigerantes e rações para animais. Deve-se observar que a lavagem e o descascamento não conseguem remover completamente os resíduos. Na maioria dos casos, as concentrações não excedem os níveis de segurança determinados pela legislação. Esses “limites de segurança” podem subestimar o risco real à saúde, como no caso da exposição simultânea a duas ou mais substâncias químicas, que ocorre em condições da vida real e pode ter efeitos sinérgicos.

Resíduos de pesticidas também foram detectados em amostras de leite materno humano, e existem preocupações sobre a exposição pré-natal e efeitos sobre a saúde em crianças.

Fonte:

Ecycle

EPA

Byju´s

Frontiers in Public Health – Chemical Pesticides and Human Health: The Urgent Need for a New Concept in Agriculture

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *