O elemento túlio, história, ocorrência e aplicação

Mineral de túlio

O túlio é um elemento químico que possui número atômico 69 e símbolo atômico Tm, pertence à família dos lantanídeos, possui cor prateada e é um metal maleável podendo ser cortado a faca, possui boa ductilidade e é encontrado em minérios como monazita juntamente com outras terras raras e em areias de rios, sendo mais resistente a corrosão que a maioria dos metais.

História do túlio

O túlio foi isolado pela primeira vez em 1879 como seu óxido por Per Teodor Cleve na Universidade de Uppsala, na Suécia. As descobertas de muitos elementos de terras raras (também conhecidos como lantanídeos) começaram com ítrio em 1794. Este foi contaminado com esses elementos quimicamente semelhantes. Na verdade, os primeiros químicos não sabiam que eles estavam ali. Em 1843, o érbio e o térbio foram extraídos do ítrio, e então, em 1874, Cleve olhou mais de perto o érbio e percebeu que ele deveria conter ainda outros elementos, pois observou que seu peso atômico variava ligeiramente dependendo da fonte de onde provinha. Ele extraiu o túlio em 1879.

Em 1911, o químico americano Theodore William Richards realizou 15.000 recristalizações de bromato de túlio para obter uma amostra pura absoluta do elemento e assim determinar com exatidão seu peso atômico.

Leia também

Os quilates das joias de ouro

A química das joias de titânio: O caso dos piercings

Por que as joias de prata oxidam?

Sua alergia a certas joias é por causa do níquel

O elemento zircônio, fatos, descobertas e aplicações

O elemento ósmio, fatos, história e joias

Ocorrência do túlio

O elemento nunca é encontrado na natureza na forma pura, mas é encontrado em pequenas quantidades em minerais com outras terras raras. É extraído principalmente da monazita, que contém cerca de 0,007% de túlio e bastnasita (cerca de 0,0008%). Os principais minérios estão na China, EUA, Brasil, Índia, Sri Lanka e Austrália. As reservas de túlio são estimadas em cerca de 100.000 toneladas. A produção mundial é de cerca de 50 toneladas por ano na forma de óxido de túlio. O túlio é o segundo elemento lantanídeo mais raro, depois do promécio.

Isótopo e radioisotopos de túlio

O túlio só tem um isótopo natural 169Tm. Todavia existem os seguintes radioisótopos: 165Tm (meia-vida de 1253 dias), 166Tm (meia-vida de 7,70 horas), 167Tm (meia-vida de 9,24 dias), 168Tm (meia-vida de 93,1 dias), 170Tm (meia-vida de 128,6 dias), 171Tm (meia-vida de 1,92 dias) e 172Tm (meia-vida de 2,65 dias).

Aplicações do túlio

  • O isótopo 169Tm emite raios X quando irradiado em um reator nuclear; com possível aplicação na fabricação de equipamento de raio-X portátil
  • Em lasers com dopagem tripla Ho, Cr, Tm: YAG; e em lasers com aplicação em cirurgias
  • Em supercondutores similares aos de ítrio
  • Em cédulas de Euro para evitar fraudes

Fonte:

infoescola

Tabela Periódica.org

Royal Society of Chemistry

Webelements

Lenntech

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *