Como ocorre a química da pipoca

Como não assistir um filme no cinema sem aquela pipoquinha?

Um pouco de história da pipoca

A pipoca já faz parte do nosso cotidiano há muitos tempo. Muito embora, ela já era conhecida dos povos americanos. Sementes de milho usadas para fazer pipoca foram sobretudo encontradas por arqueólogos no Peru em Utah (EUA). Dessa forma, esse fato que sugere que a pipoca ja fazia parte da alimentação dos povos americanos.

Leia também

A culinária nos cursos de Química

Onde se aplica a estequiometria no nosso cotidiano?

As reações químicas e o nosso cotidiano

Uma Tabela Periódica para o cotidiano

A princípio, sabemos que os índios preparavam a pipoca com uma espiga inteira sobre o fogo. Em seguida, eles passaram a colocar só os grãos sobre as brasas. Por fim, eles conseguiram cozinhar o milho numa panela de barro com areia quente. 

Compostos químicos da pipoca

Compostos da pipoca

A química do estouro da pipoca

O processo de cozimento da pipoca depende sobretudo da quantidade de água dos grãos de pipoca que é cerca de 14% em massa. Inicialmente, ao aquecemos os grãos de pipoca, a água começa a evaporar. Então, com o aquecimento contínuo ocorre um aumento da pressão dentro da casca do kernel. Geralmente, a casca do kernel quebra e o milho estoura em uma temperatura de cerca de 180 °C. Durante o aquecimento, o amido dentro do grão derrete e escapa rapidamente. Do lado de fora, o amido quente é resfriado rapidamente e forma ua forma fofa característica da pipoca à medida que se solidifica.

MIlho da pipoca
Composição do milho da pipoca

 

Pipoca do micro-onda é saudável?

Em princípio, a pipoca de micro-ondas não difere da pipoca comum. A única diferença está sobretudo no método de fazer os grãos estourarem. Por conseguinte para estourar e ganhar sabor comercial, os fabricantes adicionam outros ingredientes, como:

Diacetil. É um composto que dar um gosto e aroma amanteigado à pipoca. Todavia, ele causa a doença pulmonar bronquiolite obliterante e está associado à doença de Alzheimer.

Sacos de pipoca e PFCs: As principais marcas de pipoca usam compostos perfluorados (PFCs). À medida que o micro-ondas aquece os grãos, os PFCs da embalagem se transformam em ácido perfluorooctanóico, que é uma substância cancerígena.

Os outros ingredientes adicionados que você deve evitar: Muitas marcas de pipoca de micro-ondas usam grãos de pipoca modificados geneticamente, como óleo de milho, óleo de soja ou lecitina de soja.

Fonte:

Carolina

Compound Chem

Blogs Unicamp

Publicgoods

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.