Galvanização: tudo começou com o zinco

aço

A galvanização: tudo começou com o zinco mostra o início desse tipo de proteção metálica importante. Bom, quem poderia pensar que o processo de galvanização química teria esse grande alcance?  Mas, hoje em dia conhecemos a galvanização química, a fogo, eletrolítica, a hop dip galvanized, a frio entre outras. 

Então, a galvanização é um processo em que se aplica um revestimento protetor de zinco a um produto de metal. Por exemplo, produtos de aço e de outras ligas de ferro. Utiliza-se este método para evitar a formação de ferrugem (corrosão) no metal base.  

O zinco (Zn) é o elemento amplamente usado na proteção de produtos siderúrgicos contra a corrosão. Praticamente, utiliza-se mais de 40% do zinco extraído em todo o mundo para a proteção contra a corrosão. Dessa forma, um revestimento de zinco protege placas e seções, componentes de máquinas, fixadores, tubos e outros itens.

Como o zinco entrou na galvanização?

Barão Hausmann
Barão Hausmann

Em geral, a história da galvanização tem relação próxima a própria  história do zinco. Por exemplo, arqueólogos encontraram detalhes bordados de ligas contendo até 80% de zinco em peças arqueológicas datando cerca de 2.500 anos atrás. Além disso, o zinco está presente no Latão, que é uma liga que combina cobre e zinco, do século 10 AC. 

Em 1742, Dr P. J. Malouin enviou um relatório à Academia Francesa de Ciência um relatório em que mostrava as suas descobertas sobre as propriedades protetoras do zinco sobre o ferro.  Em 1743, William Champion estabeleceu em Bristol, Inglaterra, a primeira unidade de produção de zinco metálico em escala.

Durante o Segundo Império francês, o uso do zinco decolou rapidamente, pois provou ser um material de muito útil para a construção. O uso do zinco generalizou na França principalmente nas obras de modernização da cidade de Paris realizadas pelo Barão Hausmann. Utiliza-se o zinco para a produzir telhados, calhas e mobiliário urbano.

Início do amplo uso de galvanização

Em 1824, Sir Humphrey Davy, da Grã-Bretanha, presumiu que os fundos de cobre dos navios de madeira da marinha poderiam ser protegidos fixando-se placas de ferro ou zinco neles. O Sr. Henry Palmer, da Dock Company com sede em Londres, que foi um inventor do monotrilho e pioneiro no desenvolvimento da ferrovia aérea, recebeu uma patente para “folhas de metal cortadas ou onduladas” em 1829. Mais tarde, sua invenção teria um elemento essencial no design industrial e galvanização. 

Em 1836, a empresa francesa Sorel patenteou uma técnica de aplicação de zinco no aço (galvanização). Dessa forma, a invenção do químico francês Malouin se tornou realidade no campo comercial quase cem anos depois. 

Então, o primeiro objeto de infraestrutura de ferro galvanizado foi as docas da Marinha Real em Pembroke, Grã-Bretanha construído em 1844 . Em 1850, a indústria britânica usava até 10.000 toneladas de zinco por ano para fins de galvanização. E em 1883, eles inauguraram a Ponte do Brooklyn em Nova York – uma das mais famosas e mais antigas pontes suspensas do mundo – operada com sucesso e de forma intensiva até hoje. Na época utilizou-se cordas galvanizadas com um comprimento total de cerca de 24 milhões de metros pela primeira vez durante a construção da ponte.

O que torna o aço galvanizado resistente à corrosão?

ferro galvanizado

O aço carbono precisa ser protegido, pois está exposto à corrosão em quase todos os ambientes abertos. A capacidade do zinco de proteger o aço contra a corrosão é uma de suas características mais importantes. Nenhum outro metal pode garantir uma proteção tão prática e econômica para o aço e sua estrutura (o aço inoxidável é um produto perfeito, mas também muito caro; por isso não é utilizado em mais lugares).

Basicamente, uma camada de zinco protege o aço de duas maneiras. Em primeiro lugar, atua como uma barreira física ao criar uma proteção metálica impermeável, que impede o acesso de umidade e oxigênio à base de aço. Em seguida, o revestimento de zinco reage com a atmosfera e cria uma película fina e forte de óxidos na superfície, que evita mais oxidação. 

Quanto tempo dura a proteção de zinco?

Estudos de longo prazo mostraram que a vida útil dessa barreira de proteção é proporcional à espessura do revestimento de zinco. Em outras palavras, a duplicação da espessura do revestimento dobra a vida útil do revestimento. Em segundo lugar, a galvanização fornece proteção eletroquímica ao aço.

O fato é que o revestimento de zinco é, com certeza, muito resistente, mas não perpétua. Portanto, pode se tornar óbvio que o metal galvanizado é danificado de várias maneiras durante a manutenção. Nesses casos, o aço descoberto em locais onde o revestimento de zinco foi danificado começa a ficar exposto à influência da umidade e do ar. O truque é que o zinco ao redor da área danificada também começa a corroer, mas faz isso mais rapidamente do que o aço. É por isso que os produtos da corrosão do zinco se acomodam na superfície do aço, próximos ao metal contra a influência atmosférica, protegem-no e, com isso, interrompem a corrosão.

Devemos também observar que as tintas comerciais muito populares também possuem recursos anticorrosivos. No entanto, as tintas devem ser aplicadas durante a fabricação de produtos de metal ou logo após o dano. Caso contrário, o aço sob a película de tinta corroerá até destruir totalmente a superfície.

Entre para a Comunidade

Mas caso ainda tenha dúvida não pense duas vezes faça parte da comunidade do Clube da Química para receber nossas novidades. Assim, nos siga em nossas redes sociais no:

Instagram

Facebook

Twitter  e

Linkedin

Fonte

Techniques de L´Ingenieur

Metinvest

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.