Como as moléculas hidrofílicas e hidrofóbicas participam de nossa vida

Contaminação sabão

Como as moléculas hidrofílicas e hidrofóbicas participam de nossa vida? Então, essa é uma pergunta interessante; uma vez que, sem pensar esses dois tipos de moléculas são importantes na nossa vida. Dessa forma, vamos começa explicando o significa as duas palavras:

  • Moléculas hidrofílicas, em primeiro lugar, essa palavra vem do grego , hidro = água, philos = amigo; ou seja são moléculas que tem afinidade pela água;
  • Moléculas hidrofóbicas, essa palavra vem também do grego  e significa, hidro = água, phobos = medo; ou seja, são moléculas insolúveis em água.

Onde encontramos as moléculas hidrófilas e hidrófobas

Então, quando você lava as suas mãos com sabão nem imagina que está usando uma molécula que é ao mesmo tempo hidrófila e hidrófoba. No post “A química do xampu na limpeza do cabelo” mostramos que as moléculas hidrofóbicas e hidrofílicas surfactantes limpam seu cabelo. A cauda hidrofóbica do surfactante consiste em hidrocarbonetos com um comprimento de cadeia entre C8 e C18. Assim, o poder de remoção de graxa do couro cabelo é maior quanto mais curta for a cadeia orgânica do surfactante. Muitos grupos funcionais solúveis em água fazem parte da cabeça hidrofílica do surfactante. Acesse o post e comprove como funcionar as moléculas hidrófilas e hidrófobas.

Esquema limpeza do cabelo
Esquema mostrando como ocorre a limpeza feita com xampu

Agora para aprofundar um pouco mais sobre os sabões acesse ai

Como ocorreu a história do sabão

O sabão do Prof Pio

Qual o efeito do sabão nos vírus

Como o sabão mata o coronavírus

Os hidrocarbonetos e moléculas hidrófilas e hidrófobas

Então, a família de compostos conhecidos como hidrocarbonetos contém apenas carbono e hidrogênio. Dessa forma, como a diferença entre as eletronegatividades de carbono e hidrogênio é pequena (diferença de eletronegativa = 0,40), os hidrocarbonetos não são polares. Dessa forma, como resultado, eles não se dissolvem em solventes polares, como a água. Os hidrocarbonetos são, portanto, descritos como imiscíveis (literalmente, “não misturáveis”) na água.

Quando um dos átomos de hidrogênio em um hidrocarboneto é substituído por um grupo -OH, o composto é conhecido como álcool, conforme mostrado na Figura abaixo. Como era de se esperar, os álcoois têm propriedades entre os extremos de hidrocarbonetos e água. Quando a cadeia de hidrocarbonetos é curta, o álcool é solúvel em água. Metanol (CH3OH) e etanol (CH3CH2OH) são infinitamente solúveis em água, por exemplo. Não há limite para a quantidade desses álcoois que podem se dissolver em uma determinada quantidade de água. O álcool na cerveja, vinho e licores é o etanol, e as misturas de etanol e água podem ter qualquer concentração entre os extremos de álcool puro (prova 200) e água pura (prova 0).

A estrutura do álcool conhecido como etanol.

À medida que a cadeia de hidrocarbonetos se torna mais longa, o álcool se torna menos solúvel em água, conforme mostrado na Tabela abaixo.

Solubilidades de Álcoois na Água

FórmulaNomeSolubilidade em água (g/100 g)
CH3OHMetanolInfinitamente solúvel
CH3CH2OHEtanolInfinitamente solúvel
CH3(CH2)2OHPropanolInfinitamente solúvel
CH3(CH2)3OHButanol9
CH3(CH2)4OHPentanol2.7
CH3(CH2)5OHHexanol0.6
CH3(CH2)6OHHeptanol0.18
CH3(CH2)7OHOctanol0.054
CH3(CH2)9OHDecanolInsolúvel em água

Uma extremidade das moléculas de álcool tem tanto caráter não polar que é chamada de hidrofóbica (literalmente, “odiando a água”), como mostra a Figura abaixo. A outra extremidade contém um grupo -OH que pode formar ligações de hidrogênio com as moléculas de água vizinhas e, portanto, é dito que é hidrofílico (literalmente, “amante da água”). À medida que a cadeia de hidrocarbonetos se torna mais longa, o caráter hidrofóbico da molécula aumenta e a solubilidade do álcool na água diminui gradualmente até se tornar essencialmente insolúvel na água.

Uma extremidade desta molécula de álcool é não polar e, portanto, hidrofóbica. A outra extremidade é polar e, portanto, hidrofílica.

Os dados da tabela acima mostram uma consequência da regra geral de que se dissolve. À medida que as moléculas se tornam mais polares, tornam-se menos solúveis em água. A tabela abaixo mostra outro exemplo desta regra. NaCl é relativamente solúvel em água. À medida que o solvente se torna mais não polar, a solubilidade desse soluto polar diminui.

Solubilidade do cloreto de sódio na água e nos álcoois

Fórmula de solventeNome do solventeSolubilidade de NaCl (g / 100 g de solvente)
H2OÁgua35.92
CH3OHMetanol1.4
CH3CH2OHEtanol0.065
CH3(CH2)2OHPropanol0.012
CH3(CH2)3OHButanol0.005
CH3(CH2)4OHPentanol0.0018
CH3(CH2)6OH0.18
CH3(CH2)7OH0.054
CH3(CH2)9OHInsolúvel em água

As nossas amigas as gorduras 

Em termos de Covid, de obesidade e hipertensão, os ômegas nós ajuda a melhorar nossa qualidade de vida. Então, não podemos esquecer do ômega 3 e 6 são tipos de gorduras boas, presentes em peixes como salmão, sardinha ou atum e frutos secos como nozes, amêndoas ou castanha de caju, por exemplo. São muito importantes para melhorar o sistema imune, diminuir o colesterol e triglicerídeos e aumentar a capacidade de aprendizagem e memória. Como você perceber ao acessar o post “Qual a diferença dos óleos ômega 3, 6 e 9” que esses óleos nada mais são que moléculas hidrófobas.  Para saber mais acesse também:

Por que o ácido fólico é importante durante a gravidez?

Vitamina D para que serve

O que é e para que serve beta-caroteno

Antioxidantes produtos químicos vitais a nossa saúde

Fonte:

Hexis

Infoescola

One thought on “Como as moléculas hidrofílicas e hidrofóbicas participam de nossa vida

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.