A OMS revisa limites de poluentes atmosféricos

Poluição do ar

A OMS revisa limites de poluentes atmosféricos. Isso é pois a poluição do ar induz efeitos respiratórios e cardiovasculares que podem levar à morte prematura. Além disso, ela contribui para o desenvolvimento de doenças como diabetes e doenças neurodegenerativas, e afeta a saúde da criança desde tenra idade. Os efeitos na nossa saúde ocorrem em qualquer nível de poluição, como mostra principalmente o relatório ELAPSE para a Europa.

Certos poluentes atmosféricos contribuem para as mudanças climáticas. Por exemplo, negro de fumo ou carbono fuligem (um componente do material particulado) e o ozônio ao nível do solo. Dessa forma, observa-se a redução gradual no uso de combustíveis fósseis e biomassa. Espera-se reduzir as emissões de gases de efeito estufa, bem como as concentrações de poluentes que afetam a saúde.

As novas Diretrizes Globais de Qualidade do Ar da OMS fornecem evidências claras dos danos que a poluição do ar inflige à saúde humana. Assim sendo, as diretrizes recomendam novos níveis de qualidade do ar para proteger a saúde das populações. Dessa forma, devemos reduzir os níveis dos principais poluentes atmosféricos, principalmente, aquele que contribuem para as mudanças climáticas.

Desde a última atualização global da OMS de 2005, tem havido um aumento marcante de evidências que mostram como a poluição do ar afeta diferentes aspectos da saúde. Por esse motivo, a OMS ajustou quase todos os níveis das Diretrizes Globais de Qualidade do Ar para baixo. Portanto, a OMS espera que a adesão poderá salvar milhões de vidas.

Leia também

A poluição do ar altera a placenta de grávidas

Carvão, o que é, usos e o aquecimento global

Poluição do ar leva a doenças cardiovasculares

A fuligem de carbono risco aumentado de câncer

As novas diretrizes da OMS recomendam níveis de qualidade do ar para 6 poluentes, onde as evidências avançaram mais sobre os efeitos da exposição à saúde. Quando ações são tomadas sobre esses poluentes chamados clássicos – partículas (PM), ozônio (O₃), dióxido de nitrogênio (NO₂), dióxido de enxofre (SO₂) e monóxido de carbono (CO), também tem impacto sobre outros poluentes prejudiciais.

Os riscos para a saúde associados a partículas iguais ou menores que 10 e 2,5 µm de diâmetro (PM₁₀ e PM₂,₅, respectivamente) são de particular relevância para a saúde pública. Ambos PM₂,₅ e PM₁₀ são capazes de penetrar profundamente nos pulmões, mas PM₂,₅ pode até entrar na corrente sanguínea, resultando principalmente em impactos cardiovasculares e respiratórios, e também afetando outros órgãos.

PM é gerado principalmente pela combustão de combustível em diferentes setores, incluindo transporte, energia, residências, indústria e agricultura. Em 2013, a poluição do ar exterior e o material particulado foram classificados como cancerígenos pela Agência Internacional para Pesquisa do Câncer (IARC) da OMS.

PoluenteTempo de exposição20052021 
Concentração
PM2.5 (µg/m3)Anual105
24 horas a2515
PM10 (µg/m3)Anual2015
24 horas a5045
NO2 (µg/m3) Anual4010
24 horasa--25
O3 (µg/m3)Pico sazonal b--60
8 horas a100100
SO2 (µg/m3)24 horas  a20
40
CO (mg/m3)24 horas a--4

Fontes:

OMS 2006, diretrizes de qualidade do ar: atualização global de 2005. Diretrizes de qualidade do ar da OMS 2021: atualização global 2021. a 3 a 4 dias superior a um ano de exposição. b Média da concentração média diária máxima de O3 em 8 horas durante os seis meses consecutivos com a concentração média de O3 mais alta. 

Nota: A exposição anual e a exposição durante um pico sazonal são exposições de longo prazo, enquanto a exposição de 24 e 8 horas são exposições de curto prazo.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *