Tudo sobre o metaverso na Química

realidade aumentada

Tudo sobre o metaverso na Química é um artigo que mostra como essa tecnologia pode ajudar no aprendizado da Química. Então, desde que Mark Zuckerberg anunciou a mudança do nome do Facebook para Meta, o assunto metaverso vem à tona. Mas afinal de contas o que é metaverso? A princípio metaverso é um mundo virtual onde as pessoas poderão interagir e realizar qualquer atividade, por exemplo, trabalhar, jogar, fazer compras, enfim, se divertir.

Dessa forma, as gigantes da tecnologia, como Microsoft e Roblox além da Meta, apostam e estão prometendo dar novos segmentos de comunicação da comunicação humana.

O que é metaverso

Em princípio, metaverso é um universo virtual onde as pessoas interagem entre com avatares digitais. Nesse mundo poderemos criar diversas tecnologias, por exemplo realidade virtual, realidade aumentada, redes sociais, criptomoedas etc.

Dessa forma, uma espécie de Internet 3D compõe o metaverso onde a comunicação, diversão e negócios existirão de forma imersiva e interoperável. Todavia, o metaverso ainda não existe o que é uma principal dificuldade a ser vencida. Então, as gigantes de tecnologia estão investindo pesado para que isso mude em pouco tempo.

A Realidade Aumentada e a Química

Por outro lado, na Química a Realidade Aumentada (RA) é aceita como um método de aprendizagem eficaz; ou seja, é uma metodologia complementar à aprendizagem tradicional. Na verdade, RA é uma experiência interativa de um ambiente do mundo real. Antes do lançamento recente de dispositivos inteligentes baratos e acessíveis, os aplicativos de RA em grande escala na educação eram quase impossíveis.

É interessante falar para você, que a RA desperta a curiosidade de alunos além de desenvolver uma lógica de aprendizagem. Nesse sentido, o modo visual da RA promove uma interação maior, tornando a química mais motivante e menos chata. Além disso, ocorre uma redução do distanciamento do aluno com a parte abstrata da Química.

Veja como isso ocorre no post Após a impressão 3D, imprimindo … 4D

O metaverso e a Química

Enquanto as grandes empresas de tecnologias trabalham para criar o metaverso, nós na Química já conhecemos um pouco dele. Como assim, a Química já trabalha no metaverso. Primeiramente, você tem que entender que a Química é uma ciência que trabalhar com o mundo invisível.

Assim, nossas teorias e observações dependem do temos uma imaginação apurada para entrar em um universo micro. Não sabemos muito desse universo, pois quando tentamos entrar nele nós o perturbarmos a tal ponto que ele passa ter outra realidade. Por exemplo, quando buscamos um elétron não conseguimos encontrá-lo exatamente. Nossos instrumentos de medidas são tão fortes para o elétron, que ele muda de posição ao menor sinal dessa medida.

Em uma reação química que envolver os átomos temos que usar nossa imaginação acima de tudo. Por exemplo, uma reação envolvendo os gases hidrogênio e cloro para formar gás ácido clorídrico temos que imaginar a existência do hidrogênio. Como assim? O gás hidrogênio é incolor e inodoro. Dessa forma, não sentido sua presença. Agora não acenda um fósforo que você irá vê-lo juntamente com Deus. A sua combustão é extremamente violenta.

Só podemos entender a Química se entramos no multiverso 

Bom, voltando para a reação entre o hidrogênio e cloro, nós temos que imaginar que esses dois gases tem uma geometria linear e que seu produto ácido clorídrico também é linear. Então, como podemos entender como essas moléculas são, somente com um modelo 3D; ou seja, criando um metaverso. Vejamos outras situações em que o multiverso está presente na Química.

Fonte: The New York Times

Portanto, uma das coisas mais difíceis na Química é entender a geometria das moléculas. Eu acredito que esse problema está relacionado ao nível de desenvolvimento do pensamento abstrato de nós seres humanos. Falo isso porque como Físico-Químico só comecei entender os modelos atômicos durante meu doutorado na área.

Achava que isso era pela minha incapacidade intelectual, mas não até então a forma que os professores ensinavam não ajudava o desenvolvimento do pensamento abstrato. Imaginar algo que no mundo micro é muito difícil, uma vez que nós nunca vimos.

Leia também

Uma tecnologia no ensino de isomeria

A importância da estereoquímica nos remédios

A isomeria e os remédios

Os enantiômeros que classe de composto é essa?

Uma das formas de mostrar o mundo micro é através de modelos como aqueles atômicos. Desde então são materiais que variam desde bolas de isótopo até bolas de tênis, etc.. O único problema é que esses modelos ainda continuam estáticos o que não correspondem à realidade do mundo das moléculas e tão pouco o Metaverso.

No post “Uma tecnologia no ensino de isomeria” mostramos a importância do uso de tecnologia para mostra a geometria da molécula em 3D. Dessa forma, podemos mostrar que uma molécula pode existir com formas diferentes, para uma mesma combinação de elementos químicos.

Da mesma forma que as empresas de tecnologias querem, nós da química já fazemos isso para mostrar o nosso mundo das moléculas.

O metaverso e os remédios

O metaverso também está presente nos remédios que curam as pessoas. Não poderíamos deixar de falar sobre esse assunto. Veja no post “A importância da estereoquímica nos remédios”, em que nós mostramos que a isomeria; ou seja, o arranjo espacial dos elementos químicos determina se uma molécula será ativa para tratar uma doença ou não.

Nesse conhecimento do metaverso, você deve saber que dependendo da isomeria espacial uma determinada molécula pode salvar vidas ou matar. Isso ocorre geralmente para aquelas substâncias que possuem a mesma fórmula molecular, mas isomeria espacial diferente. Substâncias com essa característica são conhecidas como isômeros, no caso de isomeria espacial diferentes, são classificados como estereoisômeros. Uma questão interessante dos esterioisômeros, é que eles podem apresentar ou não atividade óptica.

A internet já tem exemplos de metaverso

Na internet é possível encontrar várias tentativas de mostrar o mundo das moléculas como elas são na verdade. Dentre minhas buscas encontrei o site da Universidade de Toulouse III (França), embora esteja na língua as simulações são bastante intuitivas. A Virtual Chemistry 3D é uma boa ferramenta para ensinar a estereoquímica das moléculas, entre outros conteúdos relacionados com a energia envolvida.

O interesse é que o usuário pode com o mouse pegar na molécula e movimentá-la, para ver por exemplo, na parte de simetria molecular (Molecular Symmetry) é ver o plano especular. Os diversos elementos de simetria são facilmente reconhecidos.

Outro aplicativo da  Universidade do Colorado mantém um site o PhET-interactive simulations no qual recomendo para professores melhorarem o seu modo de ensinar a isomeria entre outras aplicações. 

Abaixo apresentamos uma dessas simulações chamada Geometria Molecular. Recomendamos essa ferramenta para o que o aluno aprenda e experimentando o comportamento da molécula.

Considerações finais

Como podemos perceber para nós Químicos o multiverso já uma realidade. Sem conhecê-lo nós na verdade não chegaríamos ao nível de conhecimento que temos hoje.

 

Fonte:

TechTudo

Learn Chemistry with augmented reality

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.