Tudo sobre a natureza ácida de uma substância

Dr Genilson Pereira Santana

Então, vamos começar esse post com a seguinte pergunta: Até que ponto uma substância deixa de ser ácida ou básica? Bom, pode  até parecer óbvia a resposta mas não é. Em princípio, todos nós  aprendemos ácido é sinal de coisa ruim. Não é mesmo?

O próprio significado da palavra nos leva a pensar dessa forma. Ou seja, ser ácido é que tem odor picante ou sabor acre como o do vinagre, ou então azedo. Dessa forma, com esse significado temos a impressão  ácido é ruim, mesmo.

Por outro lado, os ácidos fazem parte de nossa vida; eles desempenham funções importante no nosso organismo. Por exemplo, temos o ácido salicílico (C₇H₆O₃) que elimina verrugas; ácido ribonucleico que faz parte do nosso DNA e o ácido glicólico (C₂H₄O₃) que é um esfoliante. E por ai vai a lista de ácidos que nos ajuda.

O que é a natureza de um ácido

Para nós entendemos a natureza de um ácido, temos que primeiro entender o que é um ácido na química. A princípio, você vai encontrar algumas teorias que definem os ácidos. As três principais são as teorias de Arrhenius, Brønsted-Lowry e Lewis. Bom, vamos usar a teoria de Arrhenius para facilitar o entendimento da natureza de um ácido.

Em primeiro lugar, temos que entender que para uma substância seja ácida ela tem que liberar íons H+ em solução aquosa. Epa! Então, a natureza de uma substância ácida depende de um solvente? Exatamente, isso que tem ficar claro. Sem um solvente não há como você provar a natureza ácida de uma substância.

Aqui, vamos usar um exemplo que usa a água, pois somente em água uma substância mostra sua natureza ácida. Ou seja, temos que misturar essa substância em água para que os íons H+ sejam liberados. Por isso, nós representamos assim:

HA(aq)  → H+ + A

Observe que nessa reação a natureza ácida da substância aparece, pois os íons H+ aparecem.

É ácido ou não é ácido

Muitas vezes quando o professor faz a seguinte questão: Calcule o valor de pH de uma substância ácida forte com concentração 10-9 mol L-1.

Geralmente, encontrar uma solução para esse problema não é  fácil.  O motivo é que você pensar como na reação acima. Ou seja, ao responder que o valor de pH é 9,0 após você considerar que a concentração do ácido é 10-9 mol L-1. Dessa forma, você usa a fórmula:

pH -log [H+]

Então,

pH -log 10-9 = 9,0

Aí, você vai estufa o peito e diz: Prof. o pH é 9,0. Do outro lado, o professor olha para você e fala. Mas a substância não é um ácido? Aí você vai e pensar é mesmo. Se fosse o ácido clorídrico (ou muriático – HCl) nós teríamos um pH ácido.

Outros exemplos de ácidos forte com esse mesmo cálculo: ácido nítrico (HNO3) que muito usado na laboratórios de química para preparar amostras e realizar sínteses.

Ei, Prof. onde foi que eu errei? Prof. qual a resposta certa então? Bom, a resposta passa por um caso do limite da diluição. Como assim,  essa é uma situação que nós chamamos de limite de diluição. Neste ponto, o equilíbrio da água é importante no valor de pH da solução. Ou seja, a natureza ácida e básica da água determina junto com a substância o pH da solução. Portanto, nesse caso, utilizamos a seguinte equação para calcular o pH: [H+]=Ca + kw/[H+], em que Ca = concentração do ácido e kw  =  10-14.

Quando nós usamos essa equação nós preservamos a natureza ácida da substância.

Assuntos relacionados que você tem que descobrir aqui no Clube da Química

Nós aqui no Clube da Química publicamos uma série interessante para você descobrir mais sobre a natureza ácida das substância. Nesse sentido, convidamos você a acessar os posts. Vale a pena vá neles

Então, gostou? Bom, então comente e visite nossas redes sociais:

Instagram

Facebook

Twitter  e

Linkedin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.