Como as formigas combatem as superbactérias

Formiga resistente aos antibióticos

Existem um risco de que em 2050 os antibióticos não sejam capazes de eliminar as infecções, pois a quantidade de superbactérias aumentou. Portanto, as infecções podem se tornar uma das mais importantes causas de morte. Diante dessa ameaça, os cientistas buscam estratégias para combater as infecções.

Então, aqui no Clube da Química nós temos buscado mostrar para você como os cientistas buscam formas para combater as superbactérias com novos antibiótico. Bom, vamos primeiro falar para você que histórias dos antibióticos começou por um acidente. 

No post “O acaso da descoberta – Penicilina” nós mostramos para você que o início dos antibióticos começou com a penicilina. Então, depois da descoberta houve um crescimento exagerado do uso dos antibióticos para combater as infecções. Mas, com o tempo as bactérias se tornaram mais resistentes ao antibióticos. 

Como, mostramos no post “A crise dos antibióticos” que o DNA de muitas bactérias teve mutações o que aumentou a resistência aos antibióticos. Dessa forma, os cientistas buscam novas formas de combater das bactérias e da superbactérias.

Para isso, segundo o Clube da Química levantou os cientistas usam diversas estratégias, por exemplo inteligência artificial (IA). Bom, para você entender melhor colocamos alguns de nossos post para você descobrir mais sobre as estratégias dos cientistas. Veja ai e comente nos posts

Leia também

Hoje, vamos mostrar para você que nessa busca alguns cientistas direcionaram suas pesquisas para os insetos sociais. Dentre os insetos sociais, as formigas já provaram que sabem trabalhar com os antibióticos ao longo de milhões de anos.

Como as formigas trabalham com os antibióticos

Na luta contra as bactérias, as formigas são muito mais experientes do que os humanos. Porque elas usam antibióticos há mais de 100 milhões de anos. Por outro lado, os humanos têm apenas 80 anos de experiência com antibióticos.  Bom, as formigas usam quatro estratégias para produzir antibióticos:

  1. Quase todas as espécies de formigas produzem substâncias que destroem vírus e fungos. Assim, de  20 espécies de formigas examinadas em um estudo, a formiga ladra (Solenopsis molesta) teve o efeito antibiótico mais potente.
  2. Associação das formigas com fungos destruidores de bactérias é um estratégia que acaba com as bactérias. Assim, a formiga cortadeira cultiva um fungo que produz um antibiótico eficaz, por exemplo, o fungo estafilococos aureus que é resistente a antibióticos. Então, as secreções da formiga cogumelo Atta sexdens mata as bactérias.
  3. As formigas conseguem variar os tipos de antibióticos. Isso ocorre porque as bactérias só desenvolvem resistência se forem frequentemente expostas às mesmas substâncias. Nesse sentido, alguns dos fungos parceiros das formigas conseguem variar molécula principal de seu antibiótico. Dessa forma, a bactéria não tem oportunidade de se tornar uma superbactéria.
  4. Em vez de matar as bactérias para proteger, as formigas se contentam em regulá-las a um nível aceitável de convivência. Mesmo que isso signifique que alguns indivíduos morram infecionados pela bactéria.

Considerações finais

Então, como você pôde descobrir as formigas usam estratégias diferentes para combater as bactérias. Ou seja, ao contrário de nós seres humanos que queremos acabar de vez com a bactérias, as formigas convivem com elas. Mesmo que tenha que sacrificar parte de suas espécie. Todavia, essa última estratégia provavelmente não ajudará muito os humanos, pois envolve a perda de vidas humanas. 

Agora, que você já descobriu como as formigas fazem comente ai qual das estratégia você apoia para melhorar o combate das infecções com antibióticos. 

Então, gostou? Bom, então comente e visite nossas redes sociais:

Instagram

Facebook

Twitter  e

Linkedin

Fonte

Science Avenir

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.