O carbonato de lítio e distúrbio bipolar

Carbonato de lítio

José Bonifácio de Andrade e Silva quando descobriu a petalina na Suécia em 1803, não imaginou que nele continha o lítio um elemento isolado por Arfwerdson em 1817. O interessante é que no século XIX, o lítio começou a ser usado para fins terapêuticos para o tratamento da Gota e litiolitíase renal por ácido úrico. Somente em 1949 descobriu-se os seus efeitos calmantes em pacientes maníacos. Depois de permanecer um tempo proibido pelo Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos, sendo considerado causador de intoxicações letais de pacientes, ele passou a recomendado para estabilizar o humor de crianças e adolescentes com distúrbio bipolar. O carbonato de lítio vem sendo usado há mais de 50 anos para o tratamento de fases agudas e prevenção do distúrbio bipolar e o primeiro fármaco aprovado pelo FDA para fins terapêuticos dessa doença que atinge cerca de 4% da população mundial.

Leia também

Como é a relação do lítio e a psiquiatria

Porque a substância t-butil-lítio é perigosa

O estranho caso do 7 up e citrato de lítio

A linha de tempo psiquiátrico do lítio

Fonte:

Terapia por íon de lítio

Lítio: Tratamento de primeira escolha no transtorno bipolar

One thought on “O carbonato de lítio e distúrbio bipolar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *