O vinho só tem substâncias boas?

Geralmente, é divulgado que o vinho é uma bebida que consumida moderadamente ajuda a combater os radicais livre além de ser um dos responsáveis pela longevidade. Por outro, para que o vinho seja a bebida que tem todas essas propriedades é necessário usar sulfitos.

Leia também

Por que alguns vinhos tintos têm um gosto “mais seco” do que outros?

Da terra para a garrafa: a ciência do vinho

Todo vinho envelhece ou avinagra?

Vinho e carne: uma combinação perfeita

Os sulfitos são usados há séculos. Sabe-se, hoje que os sulfitos são úteis na quantidade necessária. Em primeiro lugar, porque coisas que de outra forma seriam desagradáveis são suprimidas, como o crescimento bacteriano. Em segundo lugar, o oxigênio, que alteraria o aroma, é interceptado pelos sulfitos. No caso do vinho o lema é: Tanto quanto necessário, o mínimo possível. E isso que é usados tecnicamente hoje. Os baixos teores de sulfitos, em dose adequada ao vinho, são absolutamente necessários para manter a qualidade desta bebida tão apreciada mundialmente.

A concentração dos sulfitos deve ser variada de acordo com a concentração das substâncias que adsorvem o sulfito, como os aldeídos, e, portanto, impedem que essas substâncias sejam ativas. Também deve haver uma reserva de sulfitos, que fica ativa quando, por exemplo, quando muito oxigênio está presente, evitando a influência deste gás oxidante. Dessa forma tem-se a neutralização dessa influência negativa. O processo para evitar a redução da qualidade do vinho é constante e dura até o que esta bebida seja aberta. Deve ser mencionado que a atuação de substâncias nocivas à qualidade do vinho é dinâmica.

Uma das condições para se ter um bom vinho é a arte de adaptar a concentração de sulfito à vinificação. Todo bom vinicultor tem isso sob controle.