Como a Química ajuda os portadores de diabetes

medido de glicemia (glicosímetro

Um dos objetivos terapêuticos das pessoas com diabetes é saber se a glicose (glicemia) está dentro da normalidade. Diversos estudos mostram que a falta de controle da glicemia causa diversas complicações aos diabetes, como falência renal, doenças cardiovasculares, amputações e cegueira.

Além disso, os portadores da diabetes ainda convivem com complicações agudas da doença: a hiperglicemia e a hipoglicemia. No caso da hipoglicemia os efeitos agudos são mais preocupantes, pois se não for tratada a tempo pode levar, entre outras consequências, à disfunção cognitiva e mesmo ao coma e à morte. Valores de glicemia abaixo de 70 mg/dL requerem a ingestão de açúcar ou de uma bebida açucarada.

Leia também

Tinta muda de cor e transformam roupas em sensores químicos gigantes

Sorbitol o que é e para que serve

Metformina, um remédio para diabetes, é a nova arma contra o câncer de mama

Gymnema Silvestre mata o desejo de açúcar

Por causa dos efeitos da diabetes que a medição da glicemia é uma ferramenta indispensável e fundamental. Um bom controle dos valores da glicemia garante a qualidade de vida das pessoas portadoras da diabetes. A determinação da glicemia é realizada atualmente com aparelhos que levam de 5 a 15 segundos com apenas de um volume de 0,3 µL de gota de sangue.

É interessante dizer que a química, mais precisamente a eletroquímica é a base para uma medida da glicose.

Afinal de contas como funcionam os aparelhos que medem a glicemia em pessoas com diabetes?

Os dispositivos atuais usam uma fita onde ocorre uma reação de oxirredução, conforme mostrado na figura abaixo

Quando o portador do diabete coloca uma pequena quantidade de sangue a reação tem início, pois na fita há um aumento súbito da corrente elétrica. Esse aumento por causa da reação do glucose com um reagente impregnado na fita (GDH). Esse reagente que na verdade é um catalisador causa as seguintes reações:

O método de análise do sinal obtido (elétrons produzidos) depende do tipo da fita, podendo ser amperométrico ou coulométrico. O glicosimetro baseado em medidas amperométricas é o mais utilizado na atualidade.

A figura abaixo mostra um esquema de uma fita de medida de glicose, onde podemos observar a existência de três eletrodos. Esses elétrodos trabalham em pares, como assim? Um par de elétrodos (eletrodo de trabalho/eletrodo de referência) fornece uma corrente elétrica para provocar um aumento de potencial eletroquímico dos reagentes da fita e do sangue, assim em contato com o catalisador ocorre as reações acima. Como dito anteriormente durante a reação, elétrons são produzidos e aí uma outra combinação de par de eletrodo (eletrodo de detecção/eletrodo de referência) mede a corrente produzida, que é diretamente proporcional à concentração de glicose no sangue.

Como podemos perceber a eletroquímica tem papel fundamental nas medidas de glicemia, o que nos possibilita a afirmar que sem a Química não teríamos uma melhor qualidade de vida dos portadores de diabetes.

 

Fonte:

Determinação da Glicemia, ou como a Química Ajuda a Melhorar a Qualidade de Vida das Pessoas com Diabetes. João Valente Nabais. Química, vol. 44, n. 158, 2020

Electrochemical Glucose Biosensors. Joseph Wang. Chemical Review, 2008, v. 108, 814-825.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *