Um químico e a restauração de The Plague in Lucca

Pintura Plague in Lucca

Ao apreciar uma obra de arte na maioria das vezes o seu admirador pensa única e exclusivamente na mensagem do artista. Se paramos para pensar em uma obra de arte, um pintor, por exemplo, usou todo o seu conhecimento sobre os pigmentos para colocar sua visão ou mensagem na pintura. Demonstrar sua visão do mundo sempre diferenciou a humanidade dos outros animais, está aí as pinturas rupestres que não me deixam mentir.

Então qual o papel de um químico nessa história?

Para mostrar o papel de químico vamos usar a obra do pintor contemporâneo Lorenzo Viani – The Plague in Lucca. Para a restauração dessa obra, antes foi necessário que um químico fizesse um estudo sobre a obra no intuito de compreender a técnica artística do pintor, além de investigar quais são os aspectos críticos de conservação dessa obra. Pesquisadores do Instituto de Química de Compostos Organometálicos do CNR (Pisa – Itália) aceitaram esse desafio.

Leia também

Química e arte uma combinação de sucesso

O efeito químico do suor em uma obra de arte

Datação por carbono detecta arte forjada

A química e a arte

Esses pesquisadores usaram técnicas não destrutivas e não invasivas como imagem de multibanda, fluorescência UV e fluorescência de raios X para caracterizar o estado de conservação da superfície da pintura, bem como revelar a natureza dos materiais orgânicos e inorgânicos presentes na pintura. Ele efetuaram análises físico-químicas em diversos pontos da obra:

Plague in Lucca restauração

Os pesquisadores conseguiram identificaram:

  • Presença de manchas de umidade, a perda localizada de cor e alguma abrasão da superfície pintada foram evidenciadas.
  • Presença de uma paleta relativamente variada (ocre vermelho, verde e amarelo, vermelhão, cromato de bário, zinco e branco de chumbo), certamente mais rica do que o esperado, considerando a predileção do artista pelo marfim e pelo carbono. negros.
  • Uma a cola animal que estava presente em toda a pintura e que foram utilizados óleo de linhaça e colofônia.
  • Material de preenchimento colorido, utilizado em uma restauração anterior para recobrir a junção das diferentes partes da pintura, revelou a presença de gesso, colorido presumivelmente com um pigmento vegetal à base de carbono.

The Plague in Lucca restauração

A partir dos resultados obtidos no estudo foi possível realizar uma limpeza da superfície da pintura e restaurar toda a pintura baseada nos resultados obtidos pelos pesquisadores. A eficácia da restauração trouxe de volta a beleza da obra do pintor italiano.

Fonte:

The chemical-physical knowledge before the restoration: the case of “The Plague in Lucca”, a masterpiece of Lorenzo Viani (1882–1936) – Heritage Science

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *