O que a química tem com a arte?

Química & arte

Se pensamos do outro lado, poderíamos afirmar que não há nada na arte que não tenha relação com a química. Todos os objetos de arte são substâncias materiais e, como tais, estão sujeitos às leis e às manipulações da Química. Ao mesmo tempo, a Química, em alguns casos limitados, também pode estar sujeita às manipulações do artista. Isso porque a arte é um espelho da cultura e dos valores de uma cultura.

Usando os materiais à sua disposição, os artistas podem interpretar sua experiência de uma variedade de perspectivas: histórica, sócio-histórica, simbólica, cultural, comportamental, comunal, ambiental, funcionalista e estruturalista. Ao examinar uma obra de arte, o Químico deve manter esses fatores em mente e não se concentrar apenas na substância material. Caso contrário, a observação de um Químico seria apenas um exercício de Química Analítica, em vez de uma apreciação do valor cultural do objeto em questão.

Leia também

O que a famosa pintura de Lavoisier esconde?

O que uma artista admiradora de vinho e química produz

Um químico e a restauração de The Plague in Lucca

Van Gogh pintou uma planta venenosa

POPcasso – O Cubismo de Picasso segundo a Química

Ao estudar as cores das obras de arte, os Químicos se interessam geralmente por identificar os seus componentes, baseados numa interpretação absolutamente técnica. Muitas cores de pigmentos usados pelos artistas, como azurita [Cu3(CO3)2(OH)2], verde atacamita [Cu2Cl(OH)3], amarelo goethita [HFeO2], e vermelho cinábrio [HgS], não devem ser tratadas apenas como compostos, mas sim como todo um contexto artístico.

Pigmentos peruanos

Tigela de insetos Cochinilha
Uma exposição de materiais de coloração usados ​​na produção de têxteis peruanos modernos. As cores roxa, azul e verde são descritas como provenientes de minerais; as cores granada e rosa são de flores de cactos; a laranja é do girassol; o vermelho é da cochonilha; o preto é da planta tasneira; e o amarelo é da planta da vassoura.Uma tigela de insetos da cochonilha da qual a tinta vermelha é preparada. Quimicamente, o corante vermelho é o ácido carmínico

 

 

 

Historicamente, artistas e Químicos sempre estiveram estado profundamente envolvidos com o uso de materiais, particularmente no que diz respeito à sua transformação em outras formas. Todavia, os artistas parecem ter negligenciado, ou mesmo evitado, a aplicação da teoria e prática química em seus esforços artísticos, embora a química seja, de fato, a disciplina científica mais intimamente relacionada à prática artística.

A literatura atribui esta marginalização da Química a uma “quimofobia” culturalmente enraizada, mas também dão exemplos de muitos artistas que estão dispostos a experimentar os novos materiais que a Química oferece, e com o fato de que seu trabalho pode de fato ser um trabalho em progresso, dado que as reações químicas dentro da obra podem continuar por longos períodos depois que a obra de arte foi presumivelmente concluída.

Uma artista que corajosamente experimentou as reações do cobre em suas obras é Cheryl Safren; ela produziu obras de grande beleza sem o uso de qualquer tinta, permitindo que a Química assumisse o centro das atenções. Mudar de cor por meio de reação, cristalização, fusão e solidificação são algumas das maneiras como a Química está no trabalho de Chery Safren. O processo dinâmico que forma o seu trabalho atual envolve cobre, produtos químicos e calor extremo. A luz atinge o cobre e em cascata em uma explosão de cores ígneas e então, de repente, se reduz a uma serenidade fria. O humor e o pensamento mudam à medida que a luz e a cor mudam rapidamente. Quando a luz escurece ou atinge certos ângulos, a cor se torna saturada, majestosa e até mesmo reverente.

Obra de arte de cheryl
Obra de arte, Química no cobre de Cheryl Safren

O tema “Química e Arte” é necessariamente amplo, uma vez que todas as obras de arte se prestam ao exame Químico. Essa interface continua a crescer à medida que mais oportunidades surgem para o diálogo entre artistas, químicos, curadores e conservacionistas. Espera-se que todas as partes, ao virem a compreender melhor como as obras de arte foram produzidas e qual pode ser sua vulnerabilidade material para que o processo de preservação das obras seja mais fáceis para as gerações futuras.

Fonte:

Educación Química

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *