Sabia que o elemento seabórgio homenageia um vivo

Seaborgio

Bom você sabia que o elemento seabórgio homenageia um vivo conta o caso de um elemento que é uma homenagem ao um vivo. Em primeior lugar, o seabórgio (em homenagem a Glenn T. Seaborg) ou eka-tungstênio ou “eka-wolfrâmio” (por estar localizado abaixo do tungstênio (W) na tabela periódica) é um elemento químico sintético, símbolo Sg, número atômico 106.

Além disso, o seabórgio (Sg) é um metal de transição pertencente ao grupo 6 da tabela periódica. Então, espera-se que o seabórgio (Sg) seja um elemento sólido nas condições normais de temperatura e pressão, e tenha uma estrutura cristalina cúbica de corpo centrado, semelhante ao seu tungstênio (W), seu homólogo mais leve.

História do seabórgio

Em princípio, em junho de 1964 relatou-se o elemento químico seabórgio (Sg) pela primeira vez  por uma equipe de cientistas em Dubna, Rússia. Então, para obtê-lo os cientistas bombardearam isótopos de chumbo –206Pb, 207Pb e 208Pb – com íons de 54Cr através de um cíclotron, produzindo íons de 259Sg. Dessa forma, os resultados foram compreendidos através do exame microscópico de folhas que foram expostas a um disco alvo giratório durante o bombardeio. As folhas foram usadas para detectar a fissão espontânea, então gravadas e examinadas microscopicamente para detectar rastros de fissão e meia-vida da atividade de fissão. Além disso, realizaou-se outros experimentos para confirmar a descoberta.

Em setembro de 1964, a equipe de Albert Ghiorso em Berkeley afirmou que produziu o seabórgio (Sg). Então, a equipe de Berkeley bombardeou átomos de califórnio-249 (249Cf) com íons de 18O usando o acelerador linear de íons superpesados. Portanto, em 1993, a pesquisa da equipe de Berkeley foi confirmada e eles receberam os créditos pela descoberta.

Seabórgio único nomeado com homenageado ainda vivo

Sem reprodutibilidade, o elemento não poderia ser oficialmente “descoberto”, então por duas décadas se conhecia o seabórgio (Sg) simplesmente como “elemento 106”.

Mas, em 1993, a equipe americana confirmou de forma independente a existência do seabórgio (Sg) e  conquistou o direito da nomeação. Como oito cientistas da equipe estiveram envolvidos na descoberta  houveram muitas sugestões. Dessa forma, ocorreram sugestões desde o nome de Isaac Newton até a nação da Finlândia. Dessa forma, o físico Albert Ghiorso acordou no meio da noite e teve a ideia de um nome para o novo elemento.

Assim, depois de obter a aprovação dos outros membros da equipe, Ghiorso marcou uma reunião com seu velho amigo e colega, Glenn T. Seaborg. Em princípio, Seaborg não estava diretamente envolvido no projeto, mas ganhou o Prêmio Nobel pela descoberta do plutônio (Pu). Além disso, ele foi  diretor geral associado do laboratório da equipe de Berkeley. Então, em uma reunião, Ghiorso entregou uma pasta chamada “História do Elemento 106” para o Seaborg. Ao abrir a pasta Searborg teve uma surpresa na primeira página, pois o nome do elemento proposto era em sua homenagem.

Qual era o problema na época?

A princípio na época nomear um elemento com alguém vivo não era comum. Pois seguindo a tradição da União Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC), os elementos só eram nomeados a pessoas mortas. Todavia, na época da proposta de Ghiorso, Searborg ainda estava vivo.

Glenn Seaborg
Glenn Seaborg apontando para seabórgio na tabela periódica. Crédito: Wikimedia Commons

Por isso, em um primeiro momento a IUPAC rejeitou o nome de Seaborg. Mas em 1997 o elemento 106 recebeu de seabórgio (Sg) em homenagem a Glenn Seaborg ainda vivo na época da nomeação.

Isótopos do seabórgio

Existem 12 isótopos conhecidos de Seabórgio (Sg), o mais duradouro dos quais é 271Sg, que decai por decaimento alfa e fissão espontânea. Tem meia-vida de 2,4 minutos. O isótopo de vida mais curta é o 258Sg, que também decai por meio do decaimento alfa e da fissão espontânea. Possui meia-vida de 2,9 ms. Os outros isótopos são  269Sg (2,1 min); 267Sg (1,4 min); 265mSg (16,2 s); e 265Sg (8,9 s).

 

Você pode descobrir mais sobre outros elementos químicos aqui. Assim, te convido a ler outros posts do Clube da Química

Então, gostou? Bom, então comente e visite nossas redes sociais:

Instagram

Facebook

Twitter  e

Linkedin

Fonte:

Wipedia

LiveScience

Science Friday

McGill

Escola Educação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.