Bebês cheios de microplásticos

bebê plástico

Microplásticos são partículas de plástico menores que 5 mm de tamanho comumente estão sendo liberadas para o ambiente por diversos processos envolvendo a quebra de objetos maiores de plástico.

Quando as garrafas ou sacolas plásticas quebram, elas se degradam em pedaços minúsculos que se infiltram nos menores cantos da natureza. Ao lavar as fibras sintéticas, as peças se quebram e voltam para nossas fontes de água. Atualmente, encontramos microplásticos até mesmo nas áreas mais remotas do mundo, como o Ártico e as partes mais profundas dos oceanos. Por não se degradarem fácil e totalmente, consideramos os microplásticos na atualidade uma ameaça ao meio ambiente.

Pesquisas apontam que os microplásticos são encontrados em partículas de poeira, alimentos, frutas, água mineral engarrafada e, como resultado, tornou-se rotineiro encontra-los em fezes de animais e humanos. Infelizmente, os cientistas encontraram microplásticos em fezes infantis (resultados publicados na Environmental Science & Technology Letters).

Onde os microplásticos estão nos bebês?

Quando se trata de bebês, encontrar uma quantidade considerável de plástico principalmente em suas fezes não parece surpresa. Os resultados encontrados pelos cientistas mostram que a concentração encontrada é de um tipo difuso de microplástico, principalmente de PET, ou tereftalato de polietileno. Infelizmente, os cientistas apontam que as nossas crianças podem estar sendo expostas a níveis ainda mais elevados de microplásticos do que os adultoso. A pesquisa mostrou que a quantidade de microplásticos nas fezes dos bebês é seis vezes maiores que as de aultos.

Isso ocorre quando nossos bebês enfiam brinquedos ou roupas na boca e aí eles podem acabar ingerindo fibras minúsculas ou pedaços de plástico. Além disso, nossos bebês são alimentados por nós com recipientes de plástico, como copos com canudinho e mamadeiras. Misturar água quente e fórmula em uma garrafa de plástico pode enfraquecer o plástico também libera mais pedacinhos de plásticos. Bebês engatinhando também são muito mais propensos do que adultos caminhando a ficar com o rosto cheio de microfibras do carpete de poliéster, que podem ingerir ou inalar microplásticos.

Leia também

Os micro-robôs que retiram os microplásticos da água

Quantos de microplástico estamos consumido?

Microplásticas descobertas em humanos

Como reduzir a quantidade plástico no mundo

O plástico está no fim?

A troca do BPA das mamadeiras que não deu certo

Quais são os efeitos dos microplásticos aos bêbes?

Os cientistas ainda estão tentando descobrir o que tudo isso significa para a saúde dos bebês. A princípio nós podemos pensar que os plásticos ingeridos simplesmente sairiam do outro lado, assim como outras coisas que as crianças comem que não deveriam. Mas uma pesquisa publicada em 2019 no respeitado periódico Chemosphere sugere que pedaços muito pequenos de plástico podem realmente passar pelas membranas celulares para se infiltrar no sistema circulatório do corpo. Nesse caso, os microplásticos podem causar mais problemas. Há evidências de que os microplásticos na circulação sanguínea podem levar à inflamação e morte das celulas.

Além disso, os plásticos também contêm alguns produtos químicos, como desreguladores endócrinos que podem interferir nos hormônios do corpo e têm sido associados a efeitos adversos no metabolismo e na saúde reprodutiva e neurológica. Nesse caso, os bebês podem ser mais vulneráveis a esses efeitos do que os adultos, pois seus corpos ainda estão crescendo e se desenvolvendo e o impacto pode perdurar até a idade adulta.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.