Os 11 elementos químicos mitológicos

Mitologia

Bom, quando nós falamos de tabela periódica para você sempre pensamos de como ela foi inventada e seus diversos usos. No post “O nascimento da tabela periódica” mostramos a você como essa ferramenta importante na química nasceu. A partir dela e do descobrimento de vários outros elementos químicos a tabela periódica ganhou uma série de elementos e, além disso, propostas de novas tabelas. Dessa forma, estamos convidando você para ver aqui no Clube da Química outras propostas de tabela periódica.

Um convite para você

Assim, como forma de te ajudar a gostar da Tabela Periódica nós aqui do Clube da Química sempre estamos postando algumas coisa dessa ferramenta essencial. Dessa forma, queremos que você goste da Química. Nesse sentido, convidamos você a descobrir essas tabelas periódicas aqui no Clube da Química.  Ai vai a lista

Mas, uma curiosidade a respeitos dos elementos químicos é os nomes que eles recebem. Você não tem essa curiosidade? Dessa forma, alguns elementos, por exemplo califórnio (Cf) e moscóvio (Mc), são nomeados em homenagem a lugares. Por outro lado, existem nomes de elementos químicos que  prestam homenagem a cientistas importantes. Por exemplo:  einstênio (Es) uma homenagem a Albert Einstein a Pierre e o cúrio (Cm) uma homenagem a Marie Curi.

Bom, aqui neste post vamos mostrar para você 11 elementos químicos que homenageiam deuses famosos e outros personagens mitológicos. Então, vamos lá apresentar os 11 elementos para você.

1. Promécio

Prometeu deus grego
Prometeu Deus Grego

Enquanto desenvolviam uma bomba atômica como parte do Projeto Manhattan durante a Segunda Guerra Mundial, o químico Charles Coryell e seus colaboradores Larry Glendenin e Jacob Marinsky trabalharam para identificar elementos produzidos durante a fissão nuclear de urânio (U). Assim, um deles acabou por ser o elemento 61 — um metal de terra rara ainda não descoberto há muito tempo suspeito de sentar-se entre neodímio e samarium na tabela periódica.

Foi a esposa de Coryell, Grace Mary, que sugeriu nomear o elemento radioativo em homenagem a Prometeu, o Titã Grego que roubou o fogo dos olímpicos e deu aos humanos. Dessa forma, a ação não ficava impune: Zeus o tinha amarrado a uma montanha, onde uma águia vinha bicar seu fígado regenerado diariamente. Como Glendenin explicou em 1976, o nome promécio (Pm) “não apenas simboliza a forma dramática como o elemento é produzido como resultado do aproveitamento da energia da fissão nuclear, mas também alerta para o perigo de punição pelo abutre da guerra”.

2. Titânio

Atlas um dos titãs
Atlas um dos Titâs

A princípio, o crédito por descobrir titânio (Ti) vai para o mineralogista britânico William Gregor, que detectou um metal misterioso em um mineral preto arenoso chamado menachanite em 1791. Ele só teve um nome quatro anos depois, quando o químico alemão Martin Heinrich Klaproth identificou o mesmo metal em um mineral diferente: rutile. Klaproth logo soube da descoberta de Gregor e percebeu que os dois metais eram o mesmo elemento desconhecido, que ele chamou de “titânio” em homenagem aos Titãs — Os titãs eram seres híbridos, nenhum era humano por completo e todos tinham o poder de se transformar em animais. O titânio (Ti) faz jus ao seu nome: Ele não é corroído facilmente e ostenta uma alta resistência à tração, particularmente quando comparado com sua baixa densidade.

3. Níquel

Deus travesso
Demônio mitológico travesso

Como diz a história, quando os mineiros alemães descobriram um mineral avermelhado que parecia conter cobre (Cu), mas na verdade não continha este elemento,  eles o chamavam de kupfernickel. Kupfer significa cobre (Cu), e níquel (Ni) se refere a um demônio mitológico travesso (ou às vezes o próprio diabo). Em 1751, o químico sueco Axel Fredrik Cronstedt descobriu o que realmente estava no cobre (Cu) e era um novo metal brilhante que ele chamou de níquel (Ni).

4. Cobalto

Kobolds
Duendes trapaceiros

Cobalto (Co) foi nomeado em homenagem a outro tipo de trapaceiro do folclore alemão: kobolds, que eram  duendes que se acreditava assombrar minas. O cobalto (Co), como o níquel (Ni), muitas vezes combina com arsênio (As) para formar compostos. Então, quando os mineiros alemães tentaram extrair o metal sem nome de seu minério,  o trióxido de arsênio (As2O3) venenoso vinha com ele. Eles supostamente culparam kobolds por essas dificuldades, e começaram a chamar a substância problemática de “kobold”. Quando o químico sueco Georg Brandt isolou com sucesso o elemento na década de 1730, o nome já havia sido escrito de várias maneiras em outras línguas e acabou nomeando o novo elemento químico.

5. Tântalo

Deus grego Tântalo
Deus grego Tântalo

Na mitologia grega, Tântalo (Ta) era um filho de Zeus que os deuses condenados a passar a eternidade em pé em uma piscina de água que ele não podia beber, com frutas fora de alcance. Então, quando o químico sueco Anders Gustaf Ekeberg identificou um novo metal duro e cinza em 1802, ele descobriu que era quase impossível fazê-lo dissolver em ácido. Então ele chamou de tântalo (Ta) “em parte seguir o costume de adotar nomes da mitologia, e em parte aludir ao fato de que o óxido deste metal é incapaz de se alimentar mesmo no meio de um excedente de ácido”.

6. Nióbio

Niobe
Niobe filha do deus grego Tântalo

Antes de se tornar nióbio (Nb), o elemento 41 era conhecido como columbium. O nome era um aceno ao Novo Mundo. Dessa forma, o químico britânico Charles Hatchett identificou pela primeira vez o brilhante metal acinzentado em uma amostra mineral descoberta décadas antes na Nova Inglaterra. A descoberta de Hatchett aconteceu apenas um ano antes de Ekeberg encontrar tântalo (Ta), e alguns cientistas concluíram que os dois metais muito semelhantes eram na verdade o mesmo elemento.

Na década de 1840, o químico alemão Heinrich Rose determinou que eles não eram iguais. Então, ele chamou columbium de “nióbio” (Nb) em homenagem à filha de Tântalo.

7. Tório

Torio
Thor

Em 1815, o químico sueco Jöns Jacob Berzelius acreditava ter descoberto algo novo em amostras minerais coletadas na Noruega e na Suécia. Dessa forma, ele nomeou a substância Thorjord, ou “Terra de Thor”, em homenagem ao deus nórdico do trovão. Thorjord acabou por ser apenas fosfato de ítrio, mas Berzelius voltou a honrar o elemento, quando identificou o que era um novo elemento – tório (Th)- no final da década de 1820.

8. Cério

A Deusa Romana Dos Grãos
A Deusa Romana Dos Grãos

Não foi a única vez que Berzelius nomeou um elemento em homenagem a um deus — embora o homônimo mitológico do cério seja um pouco mais indireto do que o do tório (Th). Depois de descobrir o metal de terras raras prateadas em 1803, Berzelius e seu colega Wilhelm Hisinger batizaram-no de cerium. Então, cério recebeu o nome da deusa romana associada à agricultura e colheitas abundantes.

9. Paládio

Palas deusa grega
Pallas Deusa grega da sabedoria e da guerra

Em 1802, um ano após a descoberta de Ceres um planeta anão localizado no cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter, sendo o maior dos asteroides, um asteroide ligeiramente menor foi visto e chamado Pallas (ou Palas). Bom, . Bom, o químico britânico William Hyde Wollaston conseguiu isolar um novo elemento na mesma época, ele prestou homenagem a este asteroide, chamando o elemento descoberto por ele de paládio (Pd).

10. Vanádio

freya vanadis
Freya Vanadis Deusa da Beleza

Embora o mineralogista espanhol Andrés Manuel del Río tecnicamente já tivesse descoberto o vanádio (V) — que ele chamou de “eritronium” — em 1801, ele concluiu que na verdade era apenas uma forma de cromo (Cr). Assim, não foi reconhecido como um novo elemento até que o sueco Nils Gabriel Sefström o identificou como tal em 1830. Sefström o renomeou como “vanádio” (V) em homenagem a Freya Vanadis, uma antiga deusa nórdica conhecida por sua beleza.

11. Irídio

Deusa Arco-iris
Deusa Grega Arco-iris

Bom, o irídio (Ir) também foi nomeado por sua capacidade de produzir compostos coloridos. Assim, “Eu deveria inclinar-me a chamar esse irídio (Ir), da impressionante variedade de cores que ele dá, enquanto se dissolve em ácido marinho”, escreveu o químico britânico Smithson Tennant após descobrir o elemento por volta de 1803. Dessa forma, Tennant não especificou exatamente como ele veio com a palavra irídio (Ir), mas é frequentemente dito que foi inspirado por Iris, deusa grega do arco-íris.

Então, gostou? Bom, então comente e visite nossas redes sociais:

Instagram

Facebook

Twitter  e

Linkedin

Fonte

Mental Floss

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.